Mais de dois milhões de britânicos querem segundo referendo

Comissão parlamentar terá de decidir se pedido feito em petição será analisado e debatido

A petição criada esta sexta-feira a pedir um segundo referendo sobre a saída ou permanência do Reino Unido da União Europeia ultrapassou esta tarde de sábado os dois milhões de assinaturas, quando só precisava de 100 mil para ter a possibilidade de vir a ser discutida no Parlamento britânico.

O texto da petição pede que a vitória abaixo dos 60% não seja válida. "Nós abaixo-assinados pedimos ao governo que implemente uma regra que dite que se o voto na saída ou na permanência for inferior a 60%, e a adesão for inferior a 75%, deve haver um segundo referendo."

A abstenção no referendo foi de 28%, e o brexit, que pedia a saída do Reino Unido da União Europeia, ganhou por 51.9%.

Esta manhã, a petição alcançou o milhão de assinaturas, número que duplicou cerca das 18:20.

A comissão de petições irá agora decidir se a petição vai ser ou não discutida na Câmara baixa do parlamento.

A petição teve tanta adesão que ontem chegou a ir abaixo.

(ATUALIZAÇÃO: número de assinaturas ultrapassou os dois milhões)

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.