Pelo menos dez mortos e dezenas de feridos num ataque aéreo contra mercado no Iémen

As tensões agravaram-se recentemente após os 'Houthis' terem morto o seu principal aliado, o antigo Presidente Ali Abdallah Saleh

Pelo menos dez pessoas foram hoje mortas e 30 feridas num bombardeamento da coligação árabe liderada pela Arábia Saudita contra um mercado popular na província de Taiz, sudeste do Iémen, referiram fontes médicas à agência noticiosa Efe.

Os mesmos responsáveis admitiram o aumento do número de vítimas devido à violência do ataque que atingiu este mercado situado no município de Al Taaziya, cerca de 250 quilómetros a sudoeste da capital Sanaa, e quando prosseguia a identificação das vítimas.

Na segunda-feira, 32 pessoas, incluindo mulheres e crianças, foram mortas em bombardeamentos da coligação militar dirigida pelos sauditas nos arredores de Sanaa, e nas províncias de Al Hudeida (oeste) e Damar (centro).

Em 26 de março de 2015, nove países dirigidos pela Arábia Saudita desencadearam neste país, o mais pobre do Médio Oriente, a operação "Tempestade Decisiva" para combater a rebelião dos 'Houthis' e em apoio às forças leais ao presidente Abdrabbuh Mansour Hadi.

Desde então a guerra intensificou-se, com a entrada em cena da Al-Qaeda e do grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), e um conflito por procuração entre os 'Houthis', apoiados pelo Irão, e a Arábia Saudita. Até ao momento contabilizam-se cerca de 10.000 mortos.

As tensões agravaram-se recentemente após os 'Houthis' terem morto o seu principal aliado, o antigo Presidente Ali Abdallah Saleh, devido a divergências relacionadas com a evolução do conflito.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.