Pelo menos 9.000 civis mortos na batalha contra Estado Islâmico em Mossul

A taxa de mortes civis registada afigura-se quase dez vezes superior ao que foi anteriormente reportado

Entre 9.000 e 11.000 civis morreram na batalha final para eliminar os extremistas do grupo autoproclamado Estado Islâmico (EI) de Mossul, a segunda maior cidade do Iraque, revela uma investigação da agência de notícias Associated Press (AP).

A taxa de mortes civis registada afigura-se quase dez vezes superior ao que foi anteriormente reportado, revela hoje a AP.

O Iraque ou as forças da coligação internacional são responsáveis pela morte de pelo menos 3.200 civis desde outubro de 2016 até à queda do Estado Islâmico em julho último, de acordo com a investigação da agência de notícias norte-americana AP que cruzou informações das listas das morgues e de múltiplas bases de dados de organizações não-governamentais.

A coligação internacional, que não enviou ninguém para Mossul para investigar, reconhece a responsabilidade por apenas 326 mortes.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.