Pelo menos 43 mortos em ataques no Iémen

O bombardeamento provocou a queda do teto do segundo piso de um edifício, onde se encontrava a maioria das vítimas

Pelo menos 43 pessoas morreram esta quarta-feira e dezenas ficaram feridas em vários bombardeamentos da coligação árabe, liderada pela Arábia Saudita, na capital do Iémen, controlada pelos rebeldes hutis, noticia a Efe citando fontes médicas e dos rebeldes.

O primeiro bombardeamento que ocorreu perto de um posto de controlo em Arhab, no norte de Sana, provocou a queda do teto do segundo piso de um edifício, onde se encontrava a maioria das vítimas, segundo um médico que trabalha nas operações de resgate.

O médico afirmou que, até ao momento, as equipas de resgate recuperaram 35 cadáveres de dentro do edifício, apesar de ainda haver "muitos debaixo do telhado".

Segundo constatou a agência espanhola, outros dois cadáveres continuam soterrados debaixo do teto, mas como ainda não foram retirados não figuram no número de vítimas disponibilizado pelas equipas de resgate.

Por outro lado, a televisão iemenita Al Masira assegurou que houve mais quatro bombardeamentos da coligação contra postos de controlo na zona de Sanhan, no acesso meridional de Sana, onde pelo menos seis membros do movimento huti morreram e 15 ficaram feridos.

O canal controlado pelos rebeldes garantiu ainda que outros ataques aéreos contra posições da segurança no noroeste da capital.

A coligação internacional, liderada pela Arábia Saudita, intervém no conflito do Iémen desde 2015, a favor do Presidente Abdo Rabu Mansur Hadi e contra os hutis, que controlam Sana e várias regiões no centro e noroeste do país.

Exclusivos