Papa vai visitar França após incêndio na catedral de Notre-Dame

O presidente francês, Emmanuel Macron, falou ao telefone com o Papa Francisco e convidou-o a visitar o país

"Falei com o Papa Francisco ontem [quarta-feira] por telefone e, obviamente, convidei-o a visitar o país", revelou esta quinta-feira o presidente francês Emmanuel Macron. A visita do Santo Padre acontece na sequência do incêndio devastador na catedral de Notre-Dame, mas ainda não há uma data agendada. "Ele virá no momento que considerar adequado", esclareceu Macron, citado pela Reuters.

No início desta semana, o Papa Francisco manifestou tristeza pela destruição na catedral parisiense causada pelas chamas que deflagraram ao fim da tarde de segunda-feira. "Senti uma grande dor e sinto-me tão perto de todos vocês", afirmou durante a audiência semanal perante milhares de fiéis na Praça de São Pedro, Vaticano.

Um dia após o violento incêndio, o Santo Padre, através de um telegrama enviado para o Arcebispo de Paris, Monsenhor Michel Aupetit, desejou "a mobilização de todos" para a reconstrução da catedral de Notre-Dame, uma "joia arquitetónica de uma memória coletiva".

Símbolo do estilo gótico em França, com 14 milhões de visitantes anuais, a catedral, localizada no meio da Île de la Cité, faz parte do "património arquitetónico e espiritual de Paris, da França e da humanidade", considerou o Papa Francisco.

De acordo com a Reuters, o Vaticano manifestou disponibilidade para colaborar nos trabalhos de recuperação do monumento mais visitado da Europa.

A catedral de Notre-Dame encontrava-se em obras de restauro no seu exterior quando, na segunda-feira à tarde, deflagrou um violento incêndio que demorou cerca de 15 horas a ser extinto.

A Procuradoria de Paris disse que os investigadores estavam a considerar o incêndio como um acidente.

O Presidente Emmanuel Macron prometeu que a catedral do século XII será reconstruída.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.