"Países de merda" respondem a Trump. E norte-americanos também reagem

Redes sociais incendiaram-se com declarações racistas do Presidente norte-americano, que recebeu "recados" de todo o mundo

Depois do Presidente dos EUA ter lamentado que o país receba imigrantes provenientes de "países de merda", como o Haiti e as nações da África, e não da Noruega, o Twitter fervilhou com mensagens de resposta à pergunta polémica.

Norte-americanos, mas também netos e filhos de imigrantes noruegueses e alguns habitantes dos países africanos visados quiseram mostrar a Donald Trump que a América é que é que não é um país apetecível, uma vez q ue tem "um presidente de merda".

"Por que razão temos todas estas pessoas de países de merda a virem para aqui?", afirmou Donald Trump, durante uma reunião com deputados na Casa Branca, segundo vários meios de comunicação social norte-americanos.

O Presidente dos Estados Unidos recorreu ao calão, com a expressão "shithole countries", depois de dois senadores lhe terem apresentado um projeto de lei migratório ao abrigo do qual seriam concedidos vistos a alguns cidadãos de países que foram recentemente retirados do Estatuto de Proteção Temporária (TPS, na sigla em inglês), como El Salvador, Haiti, Nicarágua e Sudão.

As redes sociais de todo o mundo reagiram.

No Haiti, as pessoas usaram o Twitter para partilhar fotos do seu país de colinas verdes, palmeiras e água azul-turquesa.

"Hey #ShitHolePresident!" escreveu Harold Isaac. "Aqui está o meu país de merda".

O cartoonista político queniano Victor Ndula, que já criticara as políticas de imigração de Trump no passado, desenhou um mapa de África sob a perspetiva da Casa Branca: o país está dividido pelos pontos cardeais, com o acréscimo da palavra "merda":

Os tweets também vieram dos EUA:

"Ninguém na Noruega quer ir para esse país de merda. Eles têm cuidados de saúde para todos, proteção familiar, educação gratuita e um verdadeiro controlo de armas", pode ler-se num dos tweets de reação ao tema.

"Porque é que haveríamos de nos mudar para um país que tem um Presidente de merda?", tweetou um nova-iorquino simulando a resposta dos noruegueses à frase de Trump.

Houve até reações da Suécia:

"É claro que as pessoas da Noruega iriam adorar viver num país onde as pessoas têm mais possibilidade de serem atingidas a tiro, viver na pobreza, não terem acesso a cuidados de saúde por serem pobres, não terem uma licença parental remunerada ou um seguro de saúde e onde se veem poucas mulheres no poder político", lê-se noutro tweet.

Mas filhos e netos de noruegueses também deixaram "recados" a Trump:

"Os meus pais vieram da Noruega e se hoje estivessem vivos fariam as coisas de outra forma. Ou ficariam na Noruega ou talvez tivessem escolhido um país menos merdoso. Como o Zimbabwe", tweetou um norte-americano filho de imigrantes noruegueses.

Entretanto, Donald Trump negou, esta sexta-feira, através do Twitter, ter utilizado a expressão "shithole" quando se referia aos países, embora tenha admitido ter usado "linguagem dura" durante o encontro.

Mas, logo após este desmentido, o senador democrata Dick Durbin, que esteve na reunião de quinta-feira, garantiu que Trump utilizou expressões "recheadas de ódio, vis e racistas" de forma repetida.

"Não consigo acreditar que na História da Casa Branca, na Sala Oval, alguma vez um Presidente tenha proferido as palavras que eu próprio ouvi o nosso Presidente dizer", disse Durbin, citado pelo correspondente da CNN na Casa Branca, Jim Acosta.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.