Pais de chinês executado devido a erro judicial reclamam indemnização

Nie Shubin foi condenado pela violação e morte de uma mulher e executado em 1995, mas foi declarado inocente este mês

Os pais de um chinês executado em 1995 por um crime que não cometeu, e declarado inocente este mês pela justiça, reclamam indemnizações de 13 milhões de yuan (1,9 milhões de euros), informou hoje a imprensa oficial.

Nie Shubin foi condenado aos 21 anos pela violação e morte de uma mulher em Shijiazhuang, capital da província de Hebei, em 1994.

De acordo com o jornal Global Times, os pais de Nie reclamam compensações separadas pela morte do filho, a privação de liberdade a que foi submetido e os danos psicológicos e custos legais que tiveram que suportar.

Os pais reclamam sobretudo pelos danos psicológicos que sofreram, durante mais de duas décadas, em que "foram alvo de burlas e vistos como os progenitores de um assassino e um violador", cita o jornal.

A família quer também que os tribunais de Hebei, que confina com Pequim, peçam desculpas publicamente, por terem danificado a reputação de Nie e dos seus pais.

Nie confessou o crime três dias após ter sido detido e sujeito a tortura e agressões, segundo admitiu agora o Tribunal Supremo Popular da China.

O caso foi reaberto em 2005, quando outra pessoa confessou ter cometido o crime pelo qual Nie foi condenado.

Organizações de defesa dos Direitos Humanos denunciam que a polícia chinesa continua a recorrer à tortura, como forma de obter confissões, num país onde a taxa de condenações dos tribunais é de 99,92%.

Em 2014, um tribunal chinês anunciou uma indemnização de dois milhões de yuan (265 mil euros) aos pais de um adolescente executado por erro da justiça pelos crimes de homicídio e violação 18 anos antes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG