Pai de Boris Johnson junta-se a manifestantes climáticos em Londres

Stanley Johnson assumiu o apoio a movimento ecologista em Trafalgar Square, depois de o primeiro-ministro britânico ter avisado o grupo a arrumar as suas tendas com "cheiro a canábis".

O pai do primeiro-ministro britânico Boris Johnson juntou-se esta quarta-feira aos protestos climáticos em Trafalgar Square, em Londres, após o seu filho instar os manifestantes a arrumarem as suas tendas e aludindo ao "cheiro a canábis" que delas emana.

Stanley Johnson disse aos manifestantes do movimento ecologista Extinction Rebellion que tinham "exatamente as coisas certas em mente" com o seu propósito de reduzir as emissões de carbono para zero, acrescentando que o movimento ecológico era "tremendamente importante". "É absolutamente claro para mim que estamos a avançar muito devagar na questão da mudança climática", acrescentou.

Segundo a polícia de Londres, pelo menos 500 pessoas foram detidas desde o início dos protestos na segunda-feira, que fazem parte de uma onda global de manifestações pelo clima que atingiu as cidades de Nova Iorque, Paris, Berlim e Madrid.

O primeiro-ministro do Reino Unido chamou os manifestantes de "sem-abrigo não cooperativos" que deveriam abandonar as suas "tendas com cheiro a canábis". O pai de Boris Johnson, por seu lado, afirmou que usa o distintivo do grupo ecologista "com orgulho".

Os ativistas do Extinction Rebellion já anunciaram que vão bloquear o aeroporto London City, na capital inglesa, durante três dias e pacificamente, pois consideram a extensão do aeroporto incompatível com a crise climática e a "emergência ecológica" decretada pelo parlamento britânico, bem como com os compromissos do Governo de alcançar uma pegada de carbono neutra em 2050.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.