Iglesias oferece livro com dedicatória especial a Pedro Sánchez

O líder do Podemos reuniu-se hoje com Pedro Sánchez para tentar chegar a um novo acordo sobre o governo. E levou um livro sobre basquetebol, um assunto que os une.

Não é segredo que Pablo Iglesias gosta, quando se trata de uma reunião importante, de oferecer prendas. Quando se encontrou com o rei Felipe VI levou uma temporada inteira da série televisiva Guerra dos Tronos e ao primeiro-ministro Mariano Rajoy ofereceu uns poemas de António Machado.

Hoje, aproveitando a paixão de ambos pelo desporto, presenteou Pedro Sánchez com um livro sobre a "História do basquete em Espanha", de Carlos Jiménez Poyato.

A obra de 670 páginas contém mais de 250 testemunhos de atletas que influenciaram a história daquele desporto, e uma dedicatória especial do próprio Iglesias.

Antes de se reunir com Sánchez, o secretário-geral do Podemos partilhou a dedicatória no Twitter:

"É bom começar por aquilo que nos une", escreveu na dedicatória.

Entretanto os dois já se encontraram e Pablo Iglesias transmitiu ao líder socialista que renuncia estar num governo onde a sua presença seja vista como um obstáculo.

Iglesias disse que respeitava o acordo do PSOE com o Ciudadanos e está "disposto a ceder para não estar nesse governo".

O líder do Podemos diz que a decisão é pessoal e assegura que não implica a renúncia de outros membros do Podemos a participar nesse hipotético governo progressista.

Pablo Iglesias diz que está disposto a reunir-se com Albert Rivera, líder do Ciudadanos, mas apenas para pedir-lhe abstenção porque descarta a possibilidade de formar governo com o partido.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.