Organização angolana estima 30.000 mulheres em "escravatura moderna" no trabalho doméstico

Atrasos salariais, assédio moral e sexual e desrespeito por parte dos empregadores são algumas das reclamações das trabalhadoras domésticas.

O Comité Nacional da Mulher Sindicalizada de Angola anunciou hoje que pretende retirar, até final do ano, cerca de 30.000 trabalhadoras domésticas da "escravatura moderna" por existirem "indícios" desse tipo de trabalho no país.

"Angola assumiu as convenções internacionais contra a escravatura moderna, mas, infelizmente, há indícios que apontam para a existência desse trabalho. Daí que vamos avançar com essa medida, que visa eliminar todo o tipo de precariedade", disse a presidente do Comité, Maria Fernanda.

Falando em Luanda, durante a IV reunião ordinária do órgão, afeto à União Nacional dos Trabalhadores Angolanos - Confederação Sindical (UNTA-CS), a responsável relatou que o comité recebe "diariamente queixas" de associadas.

As reclamações, adiantou, vão desde "atrasos salariais a assédio moral e sexual e a desrespeitos por parte dos empregadores", tendo Maria Fernanda indicado que vão ser realizadas "ações de capacitação e formação" das trabalhadoras ao abrigo do decreto sobre o trabalho doméstico.

Maria Fernanda acrescentou que serão feitas igualmente campanhas porta-a-porta em todo o país, de forma a exortar as mulheres para se sindicalizarem, uma vez que apenas as províncias de Benguela, Cabinda, Luanda, Namibe, Huíla e Huambo possuem empregadas domésticas sindicalizadas.

"Existe um número reduzido de mulheres sindicalizadas e trabalha-se para que essas mulheres tenham esse direito", sustentou Maria Fernanda.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.