Order! Order! Order! John Bercow confirma demissão

John Bercow, de 56 anos, comunicou esta tarde aos deputados que deixa, o mais tardar a 31 de outubro, o cargo de speaker da câmara dos Comuns que ocupa há uma década

John Bercow, o homem que ficou mundialmente conhecido pelos seus gritos de Order! Order! Order! nos debates do Brexit, anunciou esta tarde que vai demitir-se do cargo de speaker da câmara dos Comuns, tal como prometera em 2017, à mulher e aos seus três filhos. O anúncio aconteceu com a mulher de Bercow, Sally, a assistir à sessão parlamentar.

Aos deputados, Bercow, de 56 anos, disse que o seu mandato cessará esta noite se o Parlamento aprovar a realização de eleições antecipadas no Reino Unido. Como vai propor o primeiro-ministro Boris Johnson. É esperado que a ideia chumbe. Assim sendo, frisou o speaker, o seu mandato ficará concluído a 31 de outubro, já depois de o Parlamento regressar da suspensão, de Rainha fazer o seu discurso de início de legislatura e de serem realizados os votos necessários.

"Durante o meu tempo como speaker procurei aumentar a relativa autoridade desta legislatura, pela qual não deve qualquer desculpa a ninguém, em nenhum sítio e em nenhum momento. Para dizer uma frase até algo perigosa, também procurei ser o backstop dos backbenchers", declarou Bercow, entre risos. O backstop foi uma referência ao controverso mecanismo de salvaguarda destinado a evitar o regresso de uma fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte. Os backbechers são deputados de um partido, mas sem pasta no governo. Ultimamente, muitos foram ameaçados de demissão por Boris Johnson por votarem ao lado da oposição. Muitos saíram de livre vontade, antecipando-se ao líder do Partido Conservador.

Agradecendo aos deputados, ao staff da câmara dos Comuns, o speaker lembrou que é deputado há 22 anos e presidente do Parlamento há dez. "Foi a maior honra da minha vida", disse, aplaudido, mais do lado da bancada da oposição, do que propriamente do lado da bancada do governo e do Partido Conservador (ou do que resta dele).

31 de outubro é também a data prevista para que a saída do Reino Unido da UE aconteça. No sentido de travar uma saída sem acordo, o chamado No Deal Brexit, a câmara dos Comuns e a câmara dos Lordes aprovaram uma proposta de lei. Esta foi publicada esta segunda-feira à tarde, após receber aval da Rainha Isabel II, tornando-se lei. A nova norma prevê que se não houver um acordo do Brexit aprovado, até 31 de outubro, o governo britânico deve pedir um novo adiamento à UE27. Problema 1: Boris Johnson, o atual chefe do governo e líder dos conservadores, diz que não pedirá nenhuma outra extensão do Artigo 50.º do Tratado de Lisboa para que seja possível adiar, pela terceira vez, a saída do país da UE; Problema 2: A França de Emmanuel Macron já avisou que vetará qualquer nova extensão do Artigo 50.º.

Numa reação ao anúncio de Bercow, o líder do Labour, Jeremy Corbyn, elogiou-o como "alguém que mudou totalmente a forma como o cargo é desempenhado. O dirigente trabalhista lembrou o speaker como alguém que visitou o país, as escolas, as fábricas. E como alguém que tornou o papel de presidente do Parlamento mais poderoso.

Do lado do governo conservador, o ministro Michael Gove notou que, pela primeira vez, teve que concordar com Jeremy Corbyn no que toca ao reconhecimento pelo trabalho de Bercow. "Atuou sempre dentro da tradição do que são os speakers", declarou, apesar de sublinhar que, esta noite, votará a favor de eleições antecipadas. "Não é nada pessoal", assegurou Gove, entre os risos de Bercow e de vários outros deputados presentes.

Vários outros deputados enalteceram o papel desempenhado por Bercow, entre eles o trabalhista Hilary Benn, principal subscritor da proposta de lei para travar um No Deal Brexit. Falando na câmara dos Comuns, Benn declarou que Bercow foi um speaker reformista conferiu poderes ao Parlamento.

O Parlamento britânico será suspenso esta segunda-feira à noite, depois de ser votada - e rejeitada - a moção de Boris Johson a favor de eleições antecipadas. A nova legislatura começará, a 14 de outubro, com o tradicional discurso da Rainha Isabel II. Três dias depois, há Conselho Europeu em Bruxelas. E este será dominado pelo Brexit.

Exclusivos