Opus Dei terá pago 977 mil dólares a vítima de assédio sexual do padre McCloskey

O caso remonta a 2005, mas só agora se tornou público. John McCloskey era uma das mais importantes figuras católicas dos EUA.

Era figura habitual na televisão nacional, mas desde 2005 que as aparições públicas do sacerdote John McCloskey tinham sido reduzidas, sem qualquer explicação. Apesar da estranheza que a sua ausência suscitou junto dos católicos, só nesta segunda-feira se viria a saber o que está por detrás do desaparecimento de um dos mais conhecidos padres norte-americanos da esfera pública. Sabe-se agora que este foi acusado por má conduta sexual por uma mulher que diz ter sido assediada várias vezes enquanto recebeu orientação espiritual do sacerdote, através do Centro de Informações Católicas, em Washington. De acordo com o The Washington Post, a comunidade católica Opus Dei terá pago 977 mil dólares (aproximadamente 875 mil euros) à vítima.

"Eu amo o Opus Dei, mas fui envolvida neste encobrimento", começou por explicar a católica ao The Washington Post, que preferiu não ser identificada. "Fui-me confessar, pensando que tinha feito alguma coisa para tentar este homem santo a ultrapassar os limites", disse.

De acordo com a mesma, os episódios de assédio impossibilitaram-na de continuar a trabalhar, depois de ter agravado uma depressão já existente na altura e que terá sido a razão pela qual terá consultado o padre, a par dos seus problemas conjugais.

O líder do Opus Dei, Thomas Bohlin, lamentou as ações "altamente prejudiciais e dolorosas para com a mulher" e sublinhou que a instituição "está muito arrependida por tudo o que a mesma sofreu".

Contudo, ainda de acordo com o jornal norte-americano, este não terá sido caso único. Uma outra mulher já confessou às autoridades ter ficado desconfortável pela forma como era abraçada pelo reverendo, e há ainda uma terceira queixa, cuja veracidade está a ser investigada pela própria comunidade católica, também devido a uma má conduta de McCloskey.

De acordo com o Opus Dei, o padre, que está agora na casa dos 60 anos, sofre de Alzheimer em estado avançado e já está afastado de qualquer tarefa pastoral há vários anos.

John McCloskey era um dos principais nomes da Igreja nos EUA e foi o responsável pela conversão ao catolicismo de célebres líderes políticos norte-americanos, como Newt Gingrich, Larry Kudlow e Sam Brownback, entre outros. Largou a economia, área na qual se licenciou, para se dedicar ao sacerdócio, mesmo tendo sido apontado como uma das grandes promessas de Wall Street.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG