Operação Bicho. Os 12 dias de caos que culminaram na morte de 3000 idosos em Madrid

Investigação do El País revela como o governo da Comunidade de Madrid, liderado por Isabel Díaz Ayuso, fechou os idosos nos lares e entregou os seus cuidados de saúde à filha do homem que defendeu a privatização da saúde madrilena. O resultado foi um apoio médico insuficiente e caótico.

A 26 de março, horas depois de a presidente da Comunidade de Madrid, Isabel Díaz Ayuso, ter anunciado um plano de choque para os lares, Encarnaación Burgueño, auto-denominada diretora-geral da Cardio Líder, uma marca comercial sem entidade corporativa, colocava-se à frente da resposta do Ministério da Saúde da Comunidade. A ideia era substituir o internamento de idosos em hospitais por assistência médica em lares.

Até então tinham morrido 1300 idosos devido à covid-19. Ora Burgueño não tinha nem médicos, nem ambulâncias, nem conhecimentos de gestão sanitária, mas tinha os contactos do pai e uma empresa num sector cujos serviços estavam a ser mais necessários do que nunca. O pai era o ex-diretor geral dos hospitais da Comunidade de Madrid, Antonio Burgueño, a quem Díaz Ayuso entregara a coordenação do sector sanitário antes da pandemia.

O que se seguiu foram 12 dias caóticos do que o El País, que teve acesso a documentos e gravações, descreve como a "medicalização" dos lares de Madrid e que culminou com a morte de 3000 idosos nestas instituições, até ser abruptamente suspendido, a 6 de abril.

Foi nessa data que o El País revelou que a filha do ideólogo da privatização da saúde em Madrid estava a gerir a crise nos lares. Aos 50 anos, Encaranción Burgueño dirigiu toda a "Operação Bicho" confinada na sua vivenda, sem pôr nunca os pés num dos lares. A ela juntou-se o gerente da empresa de ambulâncias privadas Transamed, que ela convidou para tal num email a que o jornal espanhol teve acesso. A mensagem era assinada por Cralos Mur de Víu, o difetor da Coordenação Socio-sanitária. O mesmo que geria as visitas de quatro ambulânicas a 200 das 475 residências da Comunidade madrilena.

Mas depressa se percebeu que quando os lares ligavam a pedir apoio, não aparecia ninguém. Ao contrário do "apoio pontual" que o Ministério descreveu quando o El País denunciou o caso, as ambulâncias da Transamed eram "a única assistência médica externa que milhares de idosos receberam durante aqueles" 12 dias, escreve o diário.

Com base nas provas mostradas por Esteban Aragonés, o gerente da empresa de ambulâncias, o El País garante que a "medicalização" dos lares prometida por Ayuso nunca incluiu a visita de qualquer médico aos idosos. "Os lares diziam que ligavam a pedir ajuda mas não aparecia ninguém", afirmou Aragonés.

Apesar de haver outra empresa de ambulâncias a visitar os lares madrilenos naqueles dias, a sevilhana SAMU, o seu papel não era tratar da medicação, mas sim "dividir os centros em função dos sintomas dos pacientes e dar indicações aos funcionários sobre desinfeção e prevenção de contágios".

Ayuso enfrenta agora uma acusação no Supremo Tribunal por negar o direito à assistência médica a idosos, com as provas apresentadas pela Transamed a juntarem-se às queixas de 400 famílias de falecidos contra a presidente da Comunidade e outros altos responsáveis.

Os serviços sanitários espanhóis atualizaram para 246.504 o total de pessoas infetados desde o início da pandemia, dos quais 125 novos casos confirmados esta segunda-feira. Já faleceram 28.324 pessoas com a pandemia, havendo 21 óbitos notificados na última semana. Estes números têm vindo a ser contestados.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG