Oklahoma quer passar a executar condenados à morte com gás de nitrogénio

Fabricantes não querem ver os seus produtos associados a execuções. Desde 2015 que o Estado norte-americano não executa nenhum condenado à morte, depois de uma série de polémicas

Dirigentes estaduais do Oklahoma anunciaram esta quarta-feira que pretendem usar gás de nitrogénio para executar os condenados quando este Estado recomeçar a aplicar a pena de morte, no que será a primeira aplicação desta modalidade de execução.

O anúncio foi feito pelo procurador-geral estadual, Mike Hunter, e o diretor das prisões, Joe Allbaugh.

Oklahoma e outros Estados não têm conseguido obter as drogas requeridas para a injeção letal, perante a oposição dos fabricantes em verem os seus produtos associados às execuções.

Este Estado tem sido um dos que mais execuções faz nos EUA, mas desde 2015 que não executou qualquer condenado à morte, devido a uma série de situações polémicas, incluindo uma injeção letal, em 2014, que foi mal executada e deixou um condenado a contorcer-se na maca.

Hunter afirmou que o uso do nitrogénio é a melhor maneira de recomeçar as execuções no Oklahoma.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.