O triste fim do carvalho que Trump e Macron plantaram na Casa Branca

Quando, em abril de 2018, o presidente francês ofereceu uma árvore ao seu congénere norte-americano, disse que era um símbolo da união dos dois países. Mas o carvalho não resistiu.

Macron tinha trazido aquele presente e ele vinha carregado de simbolismo. Quando o presidente francês visitou a Casa em abril de 2018, entregou a Donald Trump um jovem carvalho. Mas não era uma árvore qualquer: tinha vindo de um bosque no norte de França onde 2000 soldados norte-americanos haviam perdido a vida na batalha de Belleau (que acontecera 100 anos antes, na Primeira Guerra Mundial).

"Este carvalho (o meu presente a Donald Trump) será uma recordação na Casa Branca dos laços que nos unem", escreveu então o chefe de Estado gaulês no Twitter.

Os dois pegaram em pás e abriram o buraco no relvado onde a árvore foi plantada. Atrás, na fotografia oficial do momento, as primeiras damas Melania Trump e Brigitte Macron sorriam. Donald e Emmanuel viviam o que então a imprensa chamou de bromance.

Mas, tal como as relações entre ambos arrefeceram, a árvore secou. A história da divisão conta-se com as opiniões cada vez mais distantes entre os dois líderes sobre alterações climáticas, a relação com a Europa ou o pacto nuclear com o Irão.

Nas comemorações do 75º aniversário do Dia D, Macron foi duro: "Ser dignos da promessa da Normandia é não esquecer nunca que os povos livres, quando se unem, são capazes de superar todos os desafios", disse noi seu discurso.

Quanto ao carvalho, a sua história conta-se num ápice. Depois da fotografia, foi retirado do local e posto de quarentena, como mandam os regulamentos norte-americanos. E foi nesse período que morreu. A árvore, e essa é a triste verdade, nunca voltou ao jardim.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.