O grupo secreto de WhatsApp que ajuda as mulheres a abortar

Investigação da BBC revela grupo onde as mulheres conseguem ter acesso a comprimidos abortivos no Brasil, país em que este é ilegal, desabafam, e partilham informações práticas sobre o processo abortivo

No Brasil, onde o aborto é ilegal e punível com uma pena de prisão até três anos, há um grupo de WhatsApp que ajuda as mulheres a conseguirem comprimidos abortivos que custam entre 900 e 1500 reais (entre 200 e 334 euros), dá-lhes apoio durante o processo vídeos explicativos e mensagens, ou encaminha-as para uma clínica clandestina de São Paulo, conta a BBC numa reportagem.

"Olá, seja bem-vinda! Esse é um grupo feminista destinado à venda de medicamentos. Nosso grupo é um espaço de acolhimento e auxílio, então, por motivos de segurança, pedimos que apaguem o histórico do grupo no mínimo uma vez por semana, podendo haver verificação de cumprimento dessa solicitação." As regras são claras e dadas a conhecer a cada mulher que entre no grupo: o histórico deve ser apagado pelo menos uma vez por semana, os comentários sexistas são proibidos, bem como as conversas que não sejam pertinentes para o procedimento abortivo e a partilha das conversas com alguém que não faça parte do grupo.

A jornalista fingiu tratar-se de uma mulher grávida e comprou pílulas abortivas, que recebeu dois dias depois pelo correio, dentro de uma caixa de CD.

A BBC investigou o caso durante meses e chegou à criadora e administradora do grupo. "Abigail" fundou-o há três anos, e já ajudou 300 mulheres a abortar, no país onde todos os dias o ministério da Saúde estima que morram quatro mulheres por consequências de aborto ilegal. A criação do grupo tem que ver com a própria história daquela mulher.

"Em outubro 2013 foi raptada e violada. Engravidei e infelizmente não podia terminar [a gravidez] legalmente, porque a pessoa que me violou era importante, um ex-agente da polícia. Senti que tinha a vida inteira à minha frente, e que ela me fora roubada", contou "Abigail" à jornalista. No Brasil, o aborto só é legal em circunstâncias muito específicas, risco para a vida da mãe, feto com anencefalia ou violação, mas, para ter acesso a ele, a vítima terá de fazer uma descrição detalhada da violação, conta ainda a BBC. "Eu decidi criar o grupo porque eu não acho justo que as mulheres sejam obrigadas a ter um filho se elas não quiserem."

"Acho que eu nunca senti tanta dor na minha vida!", diz uma jovem numa mensagem áudio enviada para o grupo, citada pela BBC. Outras respondem-lhe:"Amiga, calma. Eu senti essa dor ontem. Tem alguém com você?" Não estava nenhum adulto, e a mãe chegaria a casa em breve. Ana, de 16 anos, partilhava o processo que se seguiu à toma da pílula abortiva. Após 12 horas, a mãe chega a casa. "Contei para ela. Ela falou que vai-me levar ao médico. Vou apagar essas conversa." E sai do grupo, relata a BBC.

Entre os casos escritos na reportagem está o de uma rapariga de 13 anos que terá engravidado do primo e o de uma outra jovem que diz ter sido violada e ter vergonha e medo da humilhação pública. "Eu tô com muito medo (de o aborto não dar certo), muito mesmo, até porque a minha gravidez veio de um estupro, então eu não posso ter esse bebé. Eu tenho medo e vergonha", escreve, citada pela BBC.

A ginecologista Alessandra Giovanini, coordenadora do núcleo de Aborto Legal do Hospital Pérola Byington, em São Paulo, ouvida pela BBC, afirma que "todas as vias ilegais de prática do aborto podem ser perigosas, incluindo o grupo de Whatsapp. "Acho que elas (administradoras do grupo de WhatsApp) têm até a intenção de ajudar. Mas essas pacientes correm o risco de ter uma hemorragia muito grande, correm o risco de ficar com restos ovulares e ter uma infeção que pode até levar à morte."

Nem todas as conversas, conta a BBC, levam à prática do aborto. "'Bárbara' faz parte do grupo e decidiu ter. Esse é o bebé dela. Ela desistiu do procedimento", escreveu a criadora do grupo. "Que fique claro que a gente apoia qualquer decisão. A que ela escolheu só é mais aceita pela sociedade. A alternativa a gente oferece, e fico feliz em vê-las felizes, independente de como decidam seguir a vida", rematou.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.

Premium

Fernanda Câncio

O jornalismo como "insinuação" e "teoria da conspiração"

Insinuam, deixam antever, dizem saber mas, ao cabo e ao resto, não dizem o que sabem. (...) As notícias colam títulos com realidades, nomes com casos, numa quase word salad [salada de palavras], pensamentos desorganizados, pontas soltas, em que muito mais do que dizer se sugere, se dá a entender, no fundo, ao cabo e ao resto, que onde há fumo há fogo, que alguma coisa há, que umas realidades e outras estão todas conexas, que é tudo muito grave, que há muito dinheiro envolvido, que é mais do mesmo, que os políticos são corruptos, que os interesses estão todos conexos numa trama invisível e etc., etc., etc."

Premium

João Taborda da Gama

Aceleras

Uma mudança de casa para uma zona rodeada de radares fez que as multas por excesso de velocidade se fossem acumulando, umas atrás das outras, umas em cima das outras; o carro sempre o mesmo, o condutor, presumivelmente eu, dado à morte das sanções estradais. Diz o código, algures, fiquei a saber, que se pode escolher a carta ou o curso. Ou se entrega a carta, quarenta e cinco dias no meu caso, ou se faz um curso sobre velocidade, dois sábados, das nove às cinco, na Prevenção Rodoviária Portuguesa.

Premium

Catarina Carvalho

Querem saber como apoiar os media? Perguntem aos leitores

Não há nenhum negócio que possa funcionar sem que quem o consome lhe dê algum valor. Carros que não andam não são vendidos. Sapatos que deixam entrar água podem enganar os primeiros que os compram mas não terão futuro. Então, o que há de diferente com o jornalismo? Vale a pena perguntar, depois de uma semana em que, em Portugal, o Sindicato dos Jornalistas debateu o financiamento dos media, e, em Espanha, a Associação Internacional dos Editores (Wan-Ifra) debateu o negócio das subscrições eletrónicas.