"Nunca me saíste do coração". O amor de Jeannine e K.T. esperou 75 anos

A francesa e o americano apaixonaram-se durante a II Guerrra Mundial, mas ele teve de voltar para os EUA. Passados 75 anos, uma equipa de jornalistas da televisão France 2 conseguiu voltar a juntá-los.

Junho de 1944, K.T. Robbins e todo o seu destacamento estão estacionados em Briey, no leste de França. É ali que o soldado americano conhece Jeannine Ganaye, uma jovem francesa de 18 anos pela qual se apaixona perdidamente. Mas ao fim de dois meses, K.T. e os outros militares têm de deixar a aldeia à pressa. A guerra chamava-os para outro lado.

"Disse-lhe que ia voltar e voltar, mas não aconteceu", contou K.T., hoje com 96 anos, aos jornalistas da televisão France 2 que o foram entrevistar na sua casa de Olive Branch, no Mississippi, para uma reportagem sobre os 75 anos do desembarque aliado na Normandia. De volta à América, casou e constituiu família. Mas nunca esqueceu a francesa. No meio dos álbuns de fotografias, K.T. encontrou uma imagem de Jeannine e confessou: "Gostava de lá voltar, encontrar a família dela. Ela, já não a devo ver, já deve ter morrido".

Estava enganado. Jeannine, agora de apelido Pierson, do marido, tem 92 anos e vive num lar em Montigny-lès-Metz, na região da Moselle. Depois de alguma investigação a equipa de jornalistas franceses conseguiu encontrá-la e voltar a juntar os dois namorados por ocasião das celebrações do desembarque em que K.T. participou na Normandia.

"Ela era muito doce. E acho que me amou", explica K.T. no comboio a caminho de Montigny-lès-Metz depois de lhe contarem que Jeannine está viva e à espera dele. O reencontro entre os dois é cheio de emoção. "Até me vieram as lágrimas aos olhos", confessa K.T. ao voltar a abraçar a antiga namorada. É como se o tempo não tivesse passado, ambos viúvos, K.T. e Jeannine sentam-se bem pertinho um do outro para falar de amor.

"Sempre te amei. Nunca me saiste do coração", confessa K.T. em inglês. "Ele diz que me ama, isso percebi", diz Jeannine, em francês. Depois da guerra aprendeu um pouco de inglês, talvez na esperança que o seu soldado americano voltasse. Afinal "quando ele partiu no camião chorei. Fiquei muito triste". E admite que gostava que ele não tivesse voltado à América.

Ele mostra-lhe a fotografia dela. Mas depressa chega a hora de se voltarem a separar. A despedida é cheia de emoção. Abraçado a Jeannine, K.T. confessa entre lágrimas: "Amo-te muita querida!" E prometem voltar a ver-se.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.