Número recorde de civis mortos no Afeganistão:

Relatório da ONU diz respeito ao primeiro semestre do ano

O Afeganistão registou 1.692 civis mortos no primeiro semestre de 2018, o pior número da última década, apesar do cessar-fogo de três dias em junho, informou hoje a ONU.

Entre 1 de janeiro e 30 de junho, foram contabilizados 1.692 mortos, metade dos quais atribuídos a ataques do grupo Estado Islâmico, o número mais elevado desde que a ONU começou há uma década a contar as baixas civis no Afeganistão.

De acordo com a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão, durante o primeiro semestre, as províncias de Cabul (a capital) e Nangarhar, no Leste, foram as mais atingidas - inclusive durante o cessar-fogo.

Os talibãs, que fizeram uma trégua com o governo de 15 a 17 de junho, são os responsáveis por 40% das mortes de civis afegãos.

Uma vez mais, a luta por terra ocupa o segundo lugar entre as causas de morte e ferimentos na população afegã. A primeira causa continua a ser os ataques suicidas e os ataques complexos (ataques desencadeados por um suicida, seguidos pela ocupação de locais específicos e troca de tiros).

Contudo, segundo as contas da ONU, a expansão das operações aéreas levou a um aumento acentuado do número de vítimas civis devido aos bombardeamentos (mais 52%) em comparação com o mesmo período do ano passado, com 149 mortos e 204 civis feridos.

Mais da metade das baixas (52%) são atribuídas às forças afegãs e 45% aos aviões dos EUA, os únicos na coligação ocidental a realizar operações.

"O breve cessar-fogo provou que é possível parar os combates. Os civis afegãos não precisam sofrer mais", disse Tadamichi Yamamoto, representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas, em comunicado.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.