Novo Presidente dissolve parlamento e convoca eleições antecipadas

O novo Presidente da Bulgária, general na reserva Rumen Radev, anunciou hoje a dissolução do parlamento para a próxima sexta-feira e convocou eleições gerais antecipadas, que devem decorrer a 26 de março.

O jurista e ex-presidente do parlamento (2001-2005) Ognyan Gerdzhikov, 70 anos e catedrático de Direito pela universidade de Sófia, vai ocupar o cargo de primeiro-ministro interino até ao escrutínio, divulgou em comunicado a Presidência búlgara.

O conservador populista Boiko Borisov demitiu-se de primeiro-ministro em 14 de novembro, um dia após a derrota na segunda volta das presidenciais da sua correligionária Tsetska Tsacheva. Candidato independente apoiado pelo Partido socialista búlgaro (BSP), Radev foi eleito com 59,37% dos votos.

A Bulgária permanecia em crise institucional, mas com um governo em funções. A legislação do país balcânico impedia a dissolução do parlamento até à tomada de posse de Rumen Radev, um ex-general pró-russo que assumiu funções no sábado.

As últimas sondagens fornecem vantagem ao Cidadãos para o Desenvolvimento Europeu da Bulgária (GERB) -- o partido de Borisov e até agora no poder --, com 32,5% das intenções de voto, uma vantagem de 3% face aos sociais-democratas do BSP.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.