Norte-coreano atravessa fronteira para a Coreia do Sul

Mais de 30 mil norte-coreanos atravessaram a fronteira para a vizinha Coreia do Sul desde o fim da guerra, em 1953.

Um norte-coreano atravessou a fronteira inter-coreana e ficou sob custódia das forças de segurança da Coreia do Sul, anunciaram esta quinta-feira as autoridades de Seul.

A identidade do norte-coreano e as razões pelas quais atravessou a fronteira não foram avançadas, noticiou a agência sul-coreana Yonhap, dois dias após o regime de Kim Jong-un ter voltado a disparar vários misseis balísticos de curto alcance.

O exército sul-coreano indicou que o homem foi encontrado quarta-feira à noite a desloca-se para sul, após ter passado a linha de demarcação na Zona Desmilitarizada (DMZ) na parte central da fronteira inter-coreana.

"A pessoa não identificada é um norte-coreano e a agência governamental competente está a interrogá-lo para saber como conseguiu atravessar a fronteira e porque motivo", indicou, em comunicado.

A mesma nota acrescentou não ter detetado qualquer movimentação inabitual das tropas norte-coreanas ao longo da fronteira.

Mais de 30 mil norte-coreanos atravessaram a fronteira para a Coreia do Sul, desde o fim da Guerra da Coreia (1950-53), de acordo com os dados oficiais de Seul.

As fugas pela DMZ são extremamente raras, e a grande maioria dos fugitivos escolhe deixar o país pela China, cuja fronteira com a Coreia do Norte é mais porosa.

Em novembro de 2017, um soldado do Norte conseguiu atravessar, sob uma chuva de balas, a linha de demarcação na aldeia de Panmunjon, onde estão posicionados a alguns metros de distância os exércitos das duas Coreias.