No México, Trump é o Judas que se queima na Páscoa

Mexicanos têm a tradição de queimar bonecos para afastar o mal na Semana Santa

O cerimónia chama-se "a queima do Judas", mas este ano o boneco queimado era louro e tinha um fato azul: os mexicanos têm a tradição de queimar bonecos para afastar o mal na Semana Santa e ontem uma das vítimas foi um sorridente Donald Trump.

É comum os mexicanos queimarem diferentes bonecos, políticos ou desportistas caídos em desgraça, em alusão a Judas, que, segundo a Bíblia, traiu Jesus.

No bairro La Merced, centenas aplaudiram enquanto o boneco ardia, ao mesmo tempo que gritavam insultos ao candidato republicano, muito impopular no país devido aos seus comentários sobre os imigrantes mexicanos e pela sua intenção de construir um muro na fronteira, financiado pelo México.

Os media dão conta que não foi só em La Merced que Trump foi o Judas da Páscoa. "Desde que ele começou a campanha e começou a falar sobre os imigrantes, México, e os mexicanos, eu disse 'Tenho de apanhar este tipo'", disse Felipe Linares, um dos artesãos que construíram a imagem de Trump, citado pela Reuters.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.