No Irão, adolescentes dançam e cantam "Gentleman" em desafio ao regime

Os jovens iranianos estão a filmar-se a dançar de uniforme escolar vestido contra a proibição de dançar em público.

No Irão, vários adolescentes estão a filmar-se a dançar ao som da canção pop "Gentleman" e a partilhar os vídeos nas redes sociais. Fazem-no em respostas às autoridades, que lembraram a proibição de dançar e cantar no país, segundo o jornal espanhol El Mundo.

Na maioria dos vídeos, os jovens aparecem a dançar em grupo de uniforme escolar vestido e com os rostos cobertos para impedir a identificação. Quando os partilham nas redes sociais, fazem-no a acompanhar da descrição: "não à oposição das raparigas da década de 80". Reclamam a falta de liberdade e de acesso ao entretenimento que é especialmente dura para com as raparigas.

Desde a Revolução Islâmica de 1979 que é proibido dançar em público no Irão. A juntar a isto, as autoridades criticam ainda a mensagem da canção interpretada pelo iraniano que vive nos Estados Unidos Sasan Heidarí Yafte, conhecido como Sasy Manka. "É hora de me dares um beijo nos lábios, correres e mexeres o quadril sexy. Olha que corpo. Agita o corpo", lê-se na letra.

O vice-presidente iraniano, Ali Motahari, já exigiu explicações do ministro da Educação, Mohamad Baathaí, e pediu que os diretores das escolas onde os vídeos estão a ser feitos sejam despedidos.

Em resposta a estas declarações, o ministro que tutela a Educação afirmou que não é possível reconhecer os locais onde estão a ser feitas as gravações, mas que o departamento da polícia responsável pela segurança na Internet está a investigar o caso. "Estou convencido de que há um objetivo político por trás disto. O inimigo quer infligir danos e manchar a base da sociedade - que é a Educação", disse.

Também a igreja já expressou a sua preocupação e pede que sejam encontrados os responsáveis pelo movimento. No entanto, o número de partilhas do primeiro vídeo só se multiplicou com a polémica bem como as réplicas do mesmo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.