New York Times diz que Trump afirmou que todos os imigrantes do Haiti "têm sida"

Casa Branca já veio desmentir que o Presidente dos EUA tenha feito tais comentários

A relação entre Donald Trump e as política imigratória norte-americana tem sido polémica, com o Presidente dos EUA a querer banir a chegada de pessoas de várias nacionalidades, maioritariamente de países muçulmanos, aos EUA.

Agora, o New York Times conta que Donald Trump disse, numa reunião durante o verão com altos quadros do seu gabinete, que todos os imigrantes do Haiti "têm todos sida" e que os imigrantes nigerianos, assim que chegam aos EUA, "nunca mais voltam para as suas cabanas".

Na mesma reunião, Donald Trump terá recebido documentos sobre o número de vistos que haviam sido dados, e terá referido que a situação o fazia parecer mal e que, inclusivamente, amigos lhe telefonavam para dizer que ele estava a ficar mal visto na fotografia, no que tocava à imigração.

A informação recebida pelo Presidente dos EUA dizia que 2,500 pessoas vieram do Afeganistão, "um refúgio para terroristas", 40 mil da Nigéria e 15 mil do Haiti.

A campanha eleitoral de Trump foi fortemente baseada na imigração com promessas - além do muro entre os EUA e o México - de maior controlo nas pessoas norte-americanas que entram no país.

A Casa Branca desmente que Trump tenha usado tais expressões durante a reunião. Sarah Sanders, porta-voz da Casa Branca, referiu que várias pessoas que estiveram na reunião, como por exemplo H.R. McMaster ou Rex Tillerson, "negam estas infames declarações".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.