Navio afundado na 2ª Guerra Mundial foi encontrado

O SS Iron Crown, um navio de carga que foi torpedeado pelos japoneses em 1942, foi localizado a 700 metros de profundidade.

Os destroços de um navio australiano afundado há 77 anos por um submarino japonês, em plena Segunda Guerra Mundial, foram agora encontrados. Arqueólogos marinhos localizaram o SS Iron Crown, um navio de carga que foi torpedeado em 1942, a 700 metros de profundidade. "Um acontecimento de importância nacional", destacam os especialistas.

O SS Iron Crown transportava minério de ferro para a Nova Gales do Sul quando foi atingido por um torpedo japonês no estreito de Bass, ao largo do Estado de Vitória. Bastou apenas um minuto para que se afundasse no Índico, arrastando consigo 38 pessoas. Apenas cinco tripulantes foram resgatados com vida.

Os investigadores recorreram a sonares para localizar o navio de cerca de cem metros, que foi encontrado na vertical e "relativamente intacto". "Está num bom estado de conservação", informa um dos arqueólogos que participou na descoberta, embora Peter Harvey tenha "quase a certeza que a popa do navio, onde foi atingido pelo torpedo, deva estar destruída".

Para o especialista, que faz parte da agência encarregue da preservação do património histórico de Vitória, "encontrar o local onde repousam os destroços do navio vai trazer tranquilidade aos familiares daqueles que ali morreram".

A esmagadora maioria dos tripulantes do SS Iron Crown morreu depois de o navio ter sido atingido pelo torpedo japonês. As vítimas ficaram presas dentro do barco ou foram sugadas para o fundo depois do rápido afundamento. O último dos cinco sobreviventes do ataque, Peter Harvey, morreu em 2012 e recordava esse dia de 1942 como "um dos mais tristes" da sua vida.

Entre junho de 1942 e junho de 1943, 13 submarinos da marinha japonesa operaram nas águas da costa este da Austrália, sendo responsáveis por 22 afundamentos de navios aliados. Ataques dos quais resultaram cerca de 200 mortos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...