NATO seria incapaz de contrariar invasão russa dos países bálticos

General norte-americano Ben Hodges considera que não conseguiriam chegar a tempo de defender os Estados bálticos se a Rússia atacasse

Um dos chefes da Nato na Europa considerou hoje que a Aliança Atlântica é hoje incapaz de defender os países do Báltico de uma invasão das forças russas, em declarações ao diário alemão Die Zeit.

"É verdade que a Rússia demoraria menos tempo a conquistar os Estados bálticos do que nós a chegar para os defender", disse o general norte-americano Ben Hodges, comandante das forças terrestres da NATO, à margem do exercício militar aliado Anaconda-16, em curso na Polónia, em declarações que serão publicadas esta quinta-feira pelo diário alemão e divulgadas hoje pela agência France Presse.

O Anaconda-16 envolve a participação de 31 mil soldados de 24 países, que combatem um agressor imaginário chamado "União dos Vermelhos", que tem como alvo os países bálticos e norte da Polónia.

As manobras militares decorrem dias antes da cimeira da Aliança Atlântica em Varsóvia nos próximos dias 8 e 9 de julho, que deverá consagrar o reforço da presença militar aliada no leste da Europa.

Criticados pela Rússia, estes exercícios são oficialmente manobras polacas e não da NATO, numa tentativa de atender à sensibilidade de Moscovo, de acordo com o general norte-americano.

"Alguns países, como a Alemanha ou a França, entendem que seria demasiado provocador em relação à Rússia chamar 'exercícios da NATO' a estas manobras", disse Ben Hodges.

O reforço do flanco oriental da NATO, a mais importante alteração desde o final da Guerra Fria, deve ser decidido formalmente na cimeira da Varsóvia, e é uma resposta aliada à anexação da Crimeia pela Rússia e ao conflito no leste da Ucrânia.

Este reforço traduzir-se-á, nomeadamente, na deslocação para os países bálticos, Polónia, Roménia e Bulgária, por períodos rotativos de nove meses, de unidades militares que formarão, no total, uma brigada blindada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG