A bebé a quem chamam de "pequena super-heroína"

Menina nasceu com um sinal na cara, que recorda a máscara do Batman

Há uma nova "super-heroína" no mundo. Isto porque uma bebé nasceu com um sinal que lhe cobre um terço do rosto e que recorda a máscara de Batman.

Natalie Jackson, assim se chama a pequena de quatro meses de idade, nascida no Dakota do Sul, nos EUA,​​​​​ com uma marca de nascença negra em cima de um dos olhos, que segundo os médicos deve aumentar à medida que ela cresce.

Segundo a BBC, que noticia o caso esta quarta-feira, Lacey e Andrew, os pais da menina, que são britânicos, ficaram em pânico quando a viram. Mas, em vez de removerem o sinal, eles preferiram aceitar a filha como ela é.

"Ela era tão bonita, mas parecia que tinha um hematoma e eu fiquei preocupada. Mas, os médicos disseram que era apenas uma marca de nascença, e que ela estava a respirar e era saudável", recordou a mãe à BBC.

"As pessoas dizem-nos como é incrível a marca de nascença e que ela é linda. Nós não poderíamos concordar mais", referiu à mesma televisão.

O apelido de "super-heroína" surgiu depois da visita dos irmãos Elliot, de sete anos, e Devin, de quatro, para conheceram a irmã. Eles estranharam a marca e questionaram os pais.

"Um dos meninos perguntou: 'O que é isso na cara dela? O que é essa marca negra?' Eu disse-lhes que era a sua máscara de super-herói. Eu disse a eles que, por causa disso, ela poderia conseguir qualquer coisa", lê-se na BBC.

O que pode fazer a medicina?

Apesar de, segundo a BBC, os pais da bebé terem decidido aceitar a filha "tal como ela é", a mancha no rosto de Natalie Jackson pode necessitar de tratamento.

"A fotografia não o mostra e seriam necessários mais exames, porque [a mancha] pode ser um nevo (sinal) ou um angioma, o que requer tratamentos diferentes", disse ao DN o cirurgião plástico Ângelo Rebelo.

No caso dos exames clínicos indicarem que a "máscara" da bebé é um angioma (um tumor benigno), este poderia ser tratado através da especialidade de "dermatologia com laser", mas se os médicos chegarem à conclusão de que é um sinal, então este "é um caso para ser tratado por um cirurgião plástico pediátrico".

No entanto, qualquer procedimento teria forçosamente de esperar pelo crescimento da criança, alerta o médico.

"Recebo muitos pais com bebés com sinais - não com esta dimensão - e a primeira coisa que lhes digo é que temos de esperar. Há sinais que diminuem bastante com o crescimento. Neste caso, e tendo em conta que a bebé tem quatro meses, diria para virem ter comigo daqui a seis meses", esclareceu o cirurgião.

Notícia atualizada às 15.55 de dia 10.06. Incluídas explicações de cirurgião plástico

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG