Mulheres não entram... para evitar agressões sexuais

Clube seleto da universidade de Harvard justifica discriminação. Já há uma demissão

O presidente do clube Porcellian, república exclusivamente masculina da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, viu-se obrigado a pedir a demissão depois das declarações controversas que fez para justificar o facto de as mulheres não serem aceites na organização. "Obrigar organizações para membros de um só sexo a aceitarem membros do sexo oposto pode potencialmente aumentar, e não diminuir, o risco de agressões sexuais", afirmou Charles Storey, em resposta aos esforços da reitoria para tornar este tipo de organizações mistas.

Foi uma das raras vezes em que um elemento do seleto clube veio a público e, conclui-se, mais valia não o ter feito e ter-se remetido ao habitual silêncio.

As reações a este comentário não se fizeram esperar, com críticas a chegar de todos os lados, incluindo de políticos locais. Por isso, poucas horas depois das declarações, feitas a 13 de abril no jornal da Universidade, o The Harvard Crimson, Charles Storey, veio desculpar-se.

"Infelizmente, escolhi mal as palavras e saiu tudo errado. Esta falha levou a interpretações infelizes e extremas, que não eram de todo a minha intenção. Levo o assunto das agressões sexuais muito a sério e peço muita desculpa a quem ofendi", escreveu.

No entanto, o pedido de desculpas não foi suficiente e Charles Storey acabou por ter de pedir a demissão. "Pura e simplesmente o que eu disse foi errado. Sem desculpas. Quero deixar claro que estou a pedir desculpas pelo que disse, não apenas a quem ofendi com as minhas palavras", disse num novo comunicado, em que admitiu estar desapontado consigo próprio.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.