Mulher morre após comer cogumelos em restaurante Michelin

Almoçar arroz de cogumelos pode ter sido fatal para a cliente do restaurante valenciano Riff, desde 2009 com uma estrela Michelin. Marido e filho também ficaram indispostos e mais sete pessoas reportaram indisposição no mesmo dia. Bernd Knöller, o alemão responsável pela cozinha, anunciou que o Riff vai ficar encerrado "até se esclarecer o que aconteceu."

As autoridades suspeitam de um arroz com cogumelos que estava no menu de degustação de sábado, o qual no site do restaurante agora encerrado se anunciava a 85 euros por pessoa. María Jesús Fernández Calvo, de 46 anos, residente em Valência, comeu-o ao almoço, no sábado, e viria a morrer de madrugada, pelas cinco da manhã, após ser acometida por diarreia e vómitos.

O marido e o filho de 12 anos, que a acompanharam na refeição e terão também consumido o arroz, tiveram os mesmos sintomas, mas restabeleceram-se; as autoridades detetaram ainda outros sete casos de clientes que estiveram no restaurante no sábado e acusaram "sintomatologia muito leve e provavelmente relacionados com o mesmo restaurante." Segundo o diário El País , a responsável do departamento de saúde da cidade, Ana Barceló, informou que outras 14 pessoas reportaram entretanto às autoridades ter tido sintomas, embora muito leves, após frequentarem o restaurante nos dias anteriores a sábado, entre 13 e 15 de fevereiro.

Mas até agora, de acordo com o que foi noticiado, e após tanto o restaurante como o domicílio da vítima terem sido examinados, não foram encontrados indícios que permitam perceber o que levou à morte de Maria Jesús. O resultado da autópsia ainda não é conhecido; a vítima pode ter morrido de intoxicação mas também pode ter sufocado devido aos vómitos.

Bernd Knöller, o cozinheiro alemão responsável do restaurante Riff, que existe desde 2001 e alcançou a sua estrela Michelin há 10 anos, anunciou em comunicado na terça-feira, que o estabelecimento ficará encerrado até se identificar a causa da morte. "Diante dos acontecimentos de que tive conhecimento hoje pelas autoridades sanitárias da cidade, que relacionam este restaurante de que sou titular, o Riff, com diferentes afeções gástricas em vários clientes, incluindo a que resultou na morte de um deles... Tomei a decisão de que o restaurante permanecerá encerrado até que as causas do sucedido sejam apuradas e se possa retomar a atividade com todas as garantias de segurança, tanto para o pessoal como para todos os clientes." Mas Knöller, que exprimiu o seu "profundo pesar" pelo decesso, não deixou de frisar que "nas primeiras investigações e inspeções realizadas constatou-se que o restaurante cumpre todas as normas sanitárias."

O Riff especializa-se, de acordo com a sua página, em produtos do mar -- peixe, marisco, moluscos, cefalópodes, algas e plantas marinhas --, elencando como "segunda afición" as verduras e hortaliças sobretudo de agricultura ecológica.

Os cogumelos utilizados no arroz, cujo nome científico é Morchella, distinguem-se pelo formato cónico e reticulado e são pouco conhecidos. Não devem nunca ser comidos crus, e considera-se que podem ser tóxicos mesmo cozinhados se combinados com bebidas alcoólicas. O risco maior porém é o de serem confundidos com espécies venenosas muito semelhantes.

Knöller, de 56 anos, abriu o seu primeiro restaurante valenciano, El Ángel Azul, em 1993, e é descrito como "um alemão de alma mediterrânica." No início da tarde desta quarta-feira, anunciou, através do Twitter, o cancelamento das refeições de 26 e 27 de fevereiro no Riff no âmbito do festival de culinária da cidade, a 26 e 27 de fevereiro. "Vamos-vos informando a respeito da nossa participação no festival."

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.