Morte de ex-presidente abre novo ciclo de confrontos

Saleh rompera aliança com os houthi no final da passada semana. Atual presidente anuncia avanço sobre a capital, Sana, e amnistia para quem rompa com a milícia xiita.

A morte do antigo presidente e homem forte do Iémen durante mais de três décadas, Ali Abdullah Saleh, ontem às mãos dos seus ex-aliados houthi vem abrir novo capítulo na guerra civil que grassa há três anos neste país do Mar Arábico.

A morte de Saleh sucedeu na capital do Iémen, Sana, quando se deslocava num veículo blindado numa tentativa de sair da cidade, sendo intercetado por combatentes houthi. Saleh foi forçado a sair e abatido em seguida.

Os acontecimentos de ontem verificaram-se menos de uma semana após Saleh ter rompido a aliança com os houthi, com quem partilhava o controlo de Sana assim como o Norte e o Centro do país. A morte de Saleh, de 75 anos, antecipa nova intensificação do conflito, com as forças do seu partido a enfrentarem os aliados da véspera, com os quais o antigo presidente assinara um acordo em 2014. Em paralelo, representa ainda um revés para o campo do presidente reconhecido internacionalmente, Abd Rabbo Mansour Hadi, sediado na segunda cidade do país, Áden, e para a Arábia Saudita, que o apoia militarmente, à frente de uma coligação internacional de países árabes e muçulmanos, além dos Estados Unidos.

Além de Saleh, foram mortos outros altos quadros do seu partido, o Congresso Popular Geral (CPG), indicou uma dirigente da organização citada pelas agências. Fontes hospitalares indicaram que houve mais de 120 mortos e 238 feridos, combatentes e civis. Além dos combates em Sana, as forças fiéis ao antigo presidente e os houthi enfrentaram-se numa cidade do Sul do país, Sanham, de onde era natural Saleh.

A mudança de campo de Saleh (primeiro presidente do Iémen unificado até ser afastado do poder no quadro do movimento das Primaveras Árabes, além de dirigente do Iémen do Norte desde 1978) foi saudada por Mansour Hadi e pela Arábia Saudita. O primeiro anunciou “para breve” uma amnistia para todos os elementos pró-Saleh, e a força área saudita bombardeou posições dos houthi (apoiados pelo Irão, ainda que este o negue), quando estalaram no final da passada semana os confrontos entre a milícia xiita e os partidários do antigo presidente. Este, no sábado, ao anunciar o fim da aliança, afirmara-se disposto a “abrir uma nova página” no conflito e pronto para negociações com o governo de Mansour Hadi e com a Arábia Saudita, se esta pusesse fim aos ataques a “cidadãos iemenitas” e levantasse o bloqueio que mantém ao país. Uma posição reafirmada ontem num comunicado do CPG em que volta a apelar ao fim dos ataques sauditas, por um lado, mas por outro sustenta que as declarações de Saleh no sábado foram mal interpretadas pelo houthi, levando-os a tomarem “uma atitude hostil” sem fundamento.

Do lado dos houthi, o seu dirigente máximo, Abdul Malik al-Houthi, considerou o dia de ontem como “grandioso”, por ter fracassado “a conspiração da traição”. Garantiu, noutro plano, que os fiéis de Saleh não seriam perseguidos e continuavam a ser bem-vindos para lutarem ao lado das suas milícias.

Primeiro sinal do recrudescimento da violência, soube-se que o presidente em exercício ordenara ao seu número dois, o vice-presidente Ali Mohsen al-Ahmar, para avançar com as forças sob seu comando para Sana. Atualmente, as unidades de Al-Ahmar estão a cerca de cem quilómetros da capital iemenita. O objetivo seria cercar Sana e expulsar os houthi, que estariam numa posição mais débil, após a rutura com as forças do CPG. Mas jornalistas naquela cidade referiam não haver sinais de combates entre os houthi e os fiéis de Saleh, parecendo os primeiros deterem total controlo de Sana. No entanto, na véspera, aviões da coligação internacional bombardearam posições houthi, junto do aeroporto e no chamado Distrito Político (onde se situa a maioria dos edifícios oficiais). A coligação divulgou ainda uma nota, pedindo aos civis para se “manterem a mais de 500 metros” das zonas sob controlo daqueles.

Devido à guerra civil e a um estado de pobreza generalizado, o Iémen atravessa atualmente a “mais grave crise humanitária no mundo”, segundo a ONU.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.