Moçambique em alerta vermelho devido à seca

Grave seca afeta vários países da África Austral

O Governo moçambicano decretou alerta vermelho por 90 dias devido à seca no centro e o sul de Moçambique e que mantém quase 1,5 milhões de pessoas em insegurança alimentar, segundo um comunicado do Conselho de Ministros hoje divulgado.

"A declaração do alerta vermelho visa melhorar a mobilização do Governo e parceiros, além de priorizar atividades para garantir que não haja perca de vidas", disse o porta-voz do Conselho de Ministros, Mouzinho Saíde, citado hoje na imprensa local, falando após a sessão do órgão realizada na terça-feira.

Durante os 90 dias, prosseguiu Mouzinho Saíde, o Governo pretende dinamizar ações de assistência às populações afetadas pela estiagem, numa estratégia que prevê cerca de 580 milhões de meticais (mais de nove milhões de euros) para reforçar a assistência alimentar, no âmbito do Plano de Contingência.

"É necessária a mobilização de mais fundos junto aos parceiros para reforçar o Plano de Contingência", afirmou o também vice-ministro da Saúde, reiterando que tudo está a ser feito para evitar óbitos devido à estiagem.

As províncias do centro e do sul de Moçambique são as mais afetadas pela seca e, segundo os dados do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC), apenas 10% dos camponeses conseguiram ter resultados no primeiro período da época agrícola.

Para responder às necessidades das populações afetadas, segundo o INGC, o Governo moçambicano precisa de três mil toneladas de cereais e duas mil toneladas de feijão por mês, uma quantidade de produtos avaliada em 13 milhões de dólares (11 milhões de euros) mensais.

Moçambique é sazonalmente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral, mas o sul do país é igualmente afetado por secas prolongadas e que este ano atingem também províncias da região centro.

A seca afeta vários países da África Austral e o Presidente do Malaui, Peter Mutharika, também declarou hoje o estado de catástrofe natural no país devido à falta de alimentos, causada pela grave seca.

Também o Zimbabué decretou, em fevereiro, o estado de emergência nas zonas rurais.

A grave seca, que dura há mais de um ano, afeta ainda a Zâmbia e a África do Sul, que declarou esta seca a pior em 100 anos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...