Berlim recebe reunião para relançar o processo de paz na Ucrânia

França, Alemanha, Rússia e Ucrânia vão reunir-se em Berlim na segunda-feira

Os ministros dos Negócios Estrangeiros francês, alemão, russo e ucraniano vão reunir-se em Berlim na segunda-feira para relançar o processo de paz na Ucrânia, confirmou a diplomacia francesa, considerando que tal decisão condiciona o levantamento de sanções contra a Rússia

A suspensão das sanções europeias contra Moscovo, exigida pelo novo governo italiano, só entrará em vigor se o processo de paz avançar na Ucrânia, advertiu o chefe da diplomacia francesa Jean-Yves Le Drian, em declarações à rádio Europe 1.

"A revisão das sanções contra os russos depende do processo de pacificação da Ucrânia, que foi decidido por todos os países europeus e agora devemos continuar", afirmou o responsável, sublinhando: "A partir do momento em que avançamos (sobre a Ucrânia), podemos colocar a questão das sanções e é isso que diremos aos italianos".

O novo chefe do governo italiano, Giuseppe Conte, disse na terça-feira que o seu país é a favor da revisão das sanções económicas impostas à Rússia.

"Seremos partidários de uma abertura à Rússia, que reforçou o seu papel internacional nos últimos anos em várias crises geopolíticas" e representa um importante parceiro económico para as empresas italianas, afirmou.

Jean-Yves Le Drian salientou, por seu lado, que houve uma "janela de oportunidade" para relançar o processo de paz após as eleições presidenciais de março na Rússia e a reeleição de Vladimir Putin.

"Devemos agora avançar (...) devemos aproveitar este momento para agir", disse.

Os Acordos de Minsk, assinados em 12 de fevereiro de 2015 sob os auspícios de Paris, Berlim e Moscovo, nunca terminaram com o conflito, com os separatistas pró-russos e a Ucrânia a acusarem-se mutuamente de exacerbar as tensões.

O conflito já matou mais de 10.000 pessoas desde 2014

Os chamados encontros "do formato da Normandia" - que reúnem, além da Ucrânia e da Rússia, os copatrocinadores destas negociações (Alemanha e França) - tornaram-se cada vez mais raros, mesmo com um aumento da violência no terreno.

Kiev e os países ocidentais acusam a Rússia de apoiar militarmente os rebeldes, o que Moscovo nega. O conflito já matou mais de 10.000 pessoas desde 2014.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?