Misterioso animal deu à costa numa praia do Texas

Na sequência do furacão Harvey surgiu um animal que nem os especialistas conseguem dizer, com alguma clareza, do que se trata

O furacão Harvey não provocou apenas um prejuízo imenso na ordem dos 190 mil milhões de euros, devido ao facto de já ser considerado o desastre meteorológico mais oneroso da história dos EUA.

Agora também existe uma aura de mistério por força do surgimento de um animal de corpo espesso e dentes afiados que deu à costa de uma praia do Texas que os especialistas estão a ter alguma dificuldade em catalogar. Tudo começou quando a jornalista Preeti Desai fotografou o animal morto e colocou a sua fotografia no twitter apelando à ajuda de quem sabe.

Muitos foram os palpites mas Kenneth Tighe, biólogo e especialista em espécies de enguias, revelou à BBC que estava indeciso apenas entre duas opções; congro ou enguia de jardim. O primeiro é um peixe que surge amiúde nas águas portuguesas, sobretudo junto dos arquipélagos da Madeira e dos Açores.

"Foi completamente inesperado, não é algo que se veja numa praia. Achei que poderia ser algo do mar profundo que teria dado à costa", explicou Preeti Desai que revelou por que razão publicou a imagem no twitter. "Eu sigo muitos cientistas e pesquisadores. Existe uma grande comunidade de especialistas que é muito útil, especialmente quando se trata de responder perguntas sobre o mundo ou identificar animais e plantas", disse ela.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.