Ministro japonês da cibersegurança: "Nunca usei um computador"

Yoshitaka Sakurada é conhecido pelas (várias) gafes. Desta vez demonstrou não saber, por exemplo, o que é uma pen USB

O ministro de cibersegurança do Japão revelou, em plena sessão parlamentar, que nunca usou um computador. Yoshitaka Sakurada, de 68 anos, disse que não precisava de saber usar um PC e demonstrou desconhecer termos básicos da tecnologia.

Segundo o New York Times, Sakurada, que é também o responsável pelos Jogos Olímpicos de Verão 2020, que irão decorrer em Tóquio, tentou defender-se quando confrontado com o seu desconhecimento de termos informáticos.

"Administro o meu próprio negócio desde os 25 anos", disse. Mas quando é necessário usar um computador, quem o faz, admitiu, são os seus funcionários ou secretários. "Não escrevo em computador", admitiu.

Quando questionado se as usinas nucleares permitiam o uso de drives USB, uma tecnologia considerada um risco em relação à segurança, Sakurada demonstrou não saber de que se tratava.

"Não posso acreditar que uma pessoa que nunca usou um computador esteja encarregada das medidas de segurança cibernética", disse Masato Imai, da oposição.

O ministro já tinha sido criticado em relação aos Jogos Olímpicos. O jornal The Asahi Shimbun escreveu que o responsável demonstrara "uma impressionante falta de compreensão das questões básicas relativas ao evento".

Em 2016, foi obrigado a desculpar-se publicamente depois de ter dito que as chamadas "mulheres de conforto" - coreanas que foram sequestradas e forçadas a tornarem-se escravas sexuais do Exército Imperial Japonês antes e durante a Segunda Guerra Mundial - eram "prostitutas".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.