Jerusalém: estação ferroviária pode vir a ser chamada "Donald Trump"

O ministro dos Transportes israelita quer homenagear o Presidente dos EUA

O ministro dos Transportes israelita, Yisrael Katz , defende a extensão da linha ferroviária de alta velocidade até à zona de Kotel, Jerusalém, onde quer construir uma estação com o nome "Donald Trump".

O plano do ministro prevê três quilómetros de linha subterrânea assim como a edificação de duas estações sob a Cidade Velha de Jerusalém junto ao Muro de Kotel, local de oração dos judeus.

Yisrael Katz propôs que a estação venha a ter o nome do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que reconheceu Jerusalém como capital de Israel.

O porta-voz do ministro dos Transportes, Avner Ovadia, disse que o projeto vai custar mais de 700 milhões de dólares e vai demorar quatro anos a construir, caso venha a ser aprovado.

Segundo a Associated Press é provável que o projeto venha a ser contestado pela "comunidade internacional" que não reconhece a soberania de Israel sobre Jerusalém Ocidental.

Entretanto, a construção da linha ferroviária de alta velocidade entre Telavive e Jerusalém deve estar concluída durante a primavera de 2018.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.