Ministro brasileiro Kassab acusado do crime de corrupção através da Odebrecht

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações do Brasil, Gilberto Kassab, foi acusado hoje pelo Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) do crime de corrupção por alegadamente ter recebido dinheiro ilícito da Odebrecht.

Na acusação, o Ministério Público destacou que, num acordo judicial ainda em negociação com a Odebrecht, foi relatado pela empresa pagamentos no valor total de 21 milhões de reais (5,3 milhões de euros) ao ministro, quando este ocupava o cargo de presidente da Câmara de São Paulo.

"A empresa, entre 2008 e 2012, repassou a Kassab mais de 21 milhões, a valores da época, como caixa dois [dinheiro usado em campanhas políticas não declarado à Justiça eleitoral]", disse o MPF-SP, num comunicado oficial.

Nesta ação, os promotores pediram também que a Justiça congele cerca de 85 milhões de reais (21,8 milhões de euros) do património do político, o que equivale à quantia que este terá recebeu da empresa e uma multa de três vezes esse valor.

O ministro brasileiro negou as acusações e manifestou, em comunicado, "receber com estranheza" a acusação em véspera de férias judiciais e que "aguarda com serenidade os argumentos utilizados pelo Ministério Público para demonstrar a legalidade de todos os atos da sua gestão, como tem acontecido em outras situações".

Além de Gilberto Kassab também foram acusados da prática do crime de "improbidade administrativa" (corrupção) os ex-secretários da cidade de São Paulo Orlando de Almeida Filho e Elton Santa Fé e o ex-vereador Francisco Chagas.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.