Ministra da Defesa alemã apontada como sucessora de Juncker, Lagarde na mira para o BCE

Ao terceiro dia de negociações, continuam as dúvidas sobre quem irá liderar a Europa. Política alemã pode estar na calha para a Comissão Europeia e a a atual diretora do FMI, a francesa Christine Lagarde, poderia assumir a presidência do Banco Central Europeu.

Os lideres europeus tentam em Bruxelas desatar o nó para a distribuição dos cargos de topo. Ainda não conseguiram chegar a uma solução. Há um novo plano em cima da mesa. Mas, até agora, nenhum funcionou, e o mais recente, se passar no Conselho, pode cair no Parlamento. Como se viu até agora, nada está garantido.

O nome da ministra alemã da Defesa, Ursula von der Leyen, é o último a circular como potencial para o cargo de presidente da Comissão Europeia, sucedendo a Jean-Claude Juncker. A informação foi avançada por fontes próximas de duas delegações, não tendo sido possível perceber quem o propôs.

Há informações contraditórias que, no entanto, deixam a iniciativa no eixo franco-alemão, ora atribuindo a ideia ao presidente francês, Emanuel Macron ora à chanceler Alemã, Angela Merkel.

Com a militante do CDU alemão, do círculo restrito de Merkel, na presidência da Comissão Europeia, este plano, ainda muito provisório, deixaria a presidência do Conselho Europeu entregue ao liberal belga, atual primeiro-ministro do governo de gestão, Charles Michel.

A presidência do Parlamento e a Alta Representação para a Política Externa ficaria para a família dos socialistas. Margrethe Vestager entraria para a comissão como vice-presidente e o socialista Holandês, Frans Timmermans acompanharia a liberal dinamarquesa na comissão europeia, como primeiro vice-presidente.

Este plano, tem um problema, que é deixar fora de qualquer cargo, o conservador alemão Manfred Weber, podendo vir a encontrar resistências numa certa ala do Partido Popular Europeu.

No entanto, há a possibilidade de moldar esta proposta, atribuindo meio mandato de presidente do Parlamento Europeu a Weber, ficando a primeira metade para o socialista búlgaro Serguei Stanishev. Os socialistas ficariam ainda com a a alta representação da União Europeia para a Política Externa, com o atual ministro espanhol dos Negócios Estrangeiros, Josep Borrell, a liderar a diplomacia europeia.

Embora tenha sido reiteradamente dito por vários líderes que a presidência do BCE não estava em discussão, na distribuição dos cargos de topo, França poderá vir a assegurar a presidência da instituição com sede em Frankfurt. Nesse caso, Christine Lagarde deixaria o Fundo Monetário Internacional, e assumirá a liderança do Banco Central Europeu.

Neste momento, tudo continua em aberto, incluindo a possibilidade de qualquer um dos outros modelos de distribuição dos cargos de topo vir a ser reabilitado.

Outros modelos

O último modelo de distribuição que foi rejeitado, numa formação da reunião magna, incluiu nomes e cargos. O rascunho que esteve em cima da mesa, garantia a liderança do Socialista Frans Timmermans na Comissão Europeia. Deixava livre a presidência do Conselho para Kristalina Georgieva, membro do PPE, que era apoiada pelo grupo de Visegrado.

Uma fonte diplomática admitiu ao DN que o nome da Búlgara, diretora do Banco Mundial, antiga comissária dos orçamentos, agradaria até a alguns governos socialistas, embora Georgieva nunca tenha sido chefe de um governo. Mas, o argumento é que entre as várias possibilidades, ela tem no currículo, a liderança de uma pasta europeia e o cargo de diretora do Banco Mundial.

Recorde-se que Kristalina Georgieva que deixou o executivo comunitário, em novembro de 2016, para concorrer à liderança das Nações Unidas, perdendo para o português António Guterres.

Se esta distribuição tivesse sido mantida, a Alta Representação da União Europeia para a Política Externa seria entregue ao liberal belga, Charles Michel, tendo estado em cima da mesa um outro arranjo, que colocava Margrethe Vestager, atual comissária da Concorrência, e spitzenkandidat pelos liberais, a assumir a pasta que está agora entregue a Federica Moguerinhi.

A outra possibilidade para Vestager - que já foi proposta pelo governo dinamarquês para continuar como comissária, no próximo mandato - é ser-lhe entregue a primeira vice-presidência da Comissão.

Falta falar do conservador alemão Manfred Weber, candidato do PPE à Comissão Europeia também entra nesta contabilidade, admitindo-se que pudesse vir a assumir a presidência do Parlamento Europeu, durante toda a legislatura. Ou, noutro modelo, partilhando a liderança com o antigo primeiro-ministro belga, Guy Verofstatht -- há muito um aspirante a um cargo de poder na União Europeia.

Este plano foi testado num voto indicativo, mas não passou e não se avançou a partir da rejeição apresentada por vários governos, nomeadamente Hungria, Croácia, Republica Checa e Polónia.

Sem plano

Esta rejeição deixou os líderes "sem um plano", obrigando à suspensão dos trabalhos, numa altura em que todos davam sinais de exaustão.

O primeiro-ministro António Costa considerou até que "tudo correu mal", numa cimeira em que "obviamente, o resultado é muito frustrante, [nomeadamente] a incapacidade do Conselho de tomar decisões e de construir soluções que tenham um apoio maioritário, quer no Conselho quer no Parlamento Europeu".

O primeiro-ministro lamentou que apesar da dedicação de uma parte dos governos não tenha sido possível ultrapassar o impasse, pois "houve, infelizmente, algumas forças que se deixaram capturar, por aqueles que querem dividir a Europa, a partir do grupo de Visegrado ou de posições como Salvini, que limitados por essas pressões acabaram por ser incapazes de sustentar os acordos que foram sucessivamente sendo estabelecidos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.