Milhares manifestam-se contra mudança de nome do país

Segundo o primeiro-ministro, qualquer solução será objeto de referendo e levará a uma mudança na Constituição da Macedónia

Milhares de simpatizantes da direita nacionalista (VMRO-DPMNE, oposição) manifestaram-se em Skopje contra uma mudança do nome do país, negociado com a Grécia, que também reivindica o nome Macedónia.

Depois de anos de impasse, as negociações entre os dois países conheceram progressos nos últimos meses, com o primeiro-ministro macedónio, Zoran Zaev, e o seu homólogo grego, Alexis Tsipras, mostrando vontade de acabar com a disputa de um quarto de século. Segundo os dois países, as negociações estão "na fase final".

Segundo o primeiro-ministro, qualquer solução será objeto de referendo e levará a uma mudança na Constituição da Macedónia.

"O VMRO-DPMNE não apoiará uma modificação da Constituição para implementar uma mudança do nome constitucional (da Macedónia). Somos muito claros em relação a isso", disse à multidão o novo presidente do principal partido da oposição, Hristijan Mickoski.

O ex-primeiro-ministro e líder do partido, Nikola Gruevski, que governou a Macedónia de 2006 a 2016 e que foi condenado na quarta-feira a dois anos de prisão num caso de abuso de poder, não esteve presente.

Por outro lado o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, apoiou o novo presidente do VMRO-DPMNE numa mensagem em vídeo na qual elogia os "líderes corajosos e sábios (...) que não se submetem à pressão de potências estrangeiras".

A Grécia considera que a Macedónia é o nome de uma sua província do norte e reivindica o legado dos antigos reis Alexandre o Grande e Filipe da Macedónia. Os macedónios reivindicam o mesmo legado

Na ausência de um acordo, Atenas bloqueia qualquer perspetiva de integração da Macedónia na NATO ou de adesão à União Europeia.

Muitos nomes têm sido referidos como alternativa, como "Gorna Makedonija" (Alta Macedónia), "Severna Makedonija" (Macedónia do Norte), "Macedónia-Ilinden" ou "Macedónia-Skopje".

Fonte ouvida pela Agência France Press disse que a preferida é Macedónia do Norte.

Um acordo com a Grécia terá de ser ratificado pelo Parlamento antes de um referendo.

Independente desde 1991, a Macedónia foi admitida nas Nações Unidas como Antiga República Jugoslava da Macedónia. É também assim que líderes europeus a designam, mas muitos países, nomeadamente os Estados Unidos e a Rússia, reconhecem o país pelo nome de Macedónia.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.