Ela morreu de frio, aos adolescentes gelaram os pés e as mãos 

A temperatura durante a noite desceu aos 10 graus negativos

Uma emigrante somali foi encontrada hoje morta de frio na Bulgária, no monte de Strandja, no sudeste do país, perto da fronteira turca, anunciou a polícia.

A mulher, uma jovem, pertencia a um grupo de cerca de 30 imigrantes indocumentados descobertos, no domingo, pela polícia de fronteiras perto da localidade de Ravadinovo, a 40 quilómetros da fronteira.

Durante os interrogatórios, a polícia ficou a saber que uma mulher tinha sido abandonada durante uma tempestade de neve.

O corpo da mulher só foi encontrado hoje. A temperatura durante a noite tinha descido até aos 10 graus negativos.

Dois adolescentes somalis do grupo, um rapaz de 16 anos e uma rapariga de 14, tinham os pés e as mãos gelados.

O grupo era composto por 25 afegãos, três paquistaneses e três somalis.

Em 2016, foram anunciadas oficialmente 10 mortes de emigrantes indocumentados na Bulgária. As vítimas tinham tentado entrar ilegalmente no país, provenientes da Turquia, ou sair, via Sérvia e Roménia, para o ocidente europeu.

Situada na fronteira externa da União Europeia, a Bulgária tem os seus centros de acolhimento de imigrantes sobrelotados, depois de a Sérvia ter fechado a fronteira, impedindo-os de continuar a sua caminhada para a Europa central e oriental.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.