Merkel e Schulz unidos no receio quanto ao resultado da AfD

Sondagem mostra que 34% dos eleitores não tenciona votar no domingo ou permanece indeciso. Chanceler continua na frente.

O receio de que a abstenção possa impulsionar o resultado da AfD, de extrema-direita, na eleição do próximo domingo levou ontem Angela Merkel (CDU) e o seu principal adversário, Martin Schulz (SPD) a apelarem aos respetivos apoiantes para irem às urnas.

Com muitos alemães a encararem a reeleição de Merkel para um quarto mandato como inevitável, as empresas de sondagens estão a apontar para uma abstenção elevada. Um estudo de opinião da GSM divulgado ontem mostra que 34% dos eleitores não tencionam votar ou estão indecisos, valor cinco pontos percentuais acima da abstenção nas eleições de 2013. Renate Koecher, da empresa de sondagens Allensbach, disse ao Die Zeit que há maior disponibilidade para votar entre conservadores e apoiantes da AfD. E que a maioria dos indecisos apoiam FDP, Verdes e Die Link (A Esquerda).

"O meu pedido é para que vão votar e que votem em partidos que sigam a nossa Constituição a 100%", declarou ontem a chanceler alemã, referindo-se à AfD.

O partido de extrema-direita, que surge com intenções de voto entre os 9 e os 12%, tem sido comparado aos nazis pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Sigmar Gabriel. Alguns dos militantes da AfD têm apelado aos alemães para que reescrevam os livros de História sobre a era nazi e o partido tem sido atacado pela sua negação do Holocausto, um crime na Alemanha.

A sondagem da GSM mostra que a AfD subiu dois pontos percentuais nas intenções de voto, situando-se nos 10%. A CDU desceu um ponto para os 37%, enquanto o SPD manteve os seus 22%. Resultados que levaram Schulz a apelar ao voto dos apoiantes, dizendo que "tudo ainda é possível". E deixou também uma mensagem aos eleitores de extrema-direita. "Apelo a todos os eleitores da AfD a considerarem o seguinte: quem quiser a justiça social, o respeito na nossa sociedade e sobretudo a substituição de Merkel deve tornar o SPD forte".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG