Viver com Asperger? "Não sou louco, nem freak"

Em um mês, o vídeo em que o menino colombiano de 8 anos explica, na primeira pessoa, como é sofrer da síndrome de Asperger já foi visto por 7,5 milhões de pessoas no Facebook.

"Ter Asperger não é uma doença. Não sou louco, nem freak, nem esquisito. Só que a minha maneira de receber e processar a informação é diferente", conta Federico García Villegas.

De acordo com o El País, que conta a história, além de ajudar a gravar o testemunho, a mãe do menino, Andrea Villegas, gerencia a conta do Facebook "Soy diferente, soy como tu" (Sou diferente, Sou como tu), que serve como rede de apoio para pais com crianças que sofrem de Asperger.

O vídeo surgiu, explica a mãe, porque o rapaz sentia necessidade de explicar a síndrome aos seus coleguinhas de escola

"Sou um menino como qualquer outro, com sonhos e esperanças. Só quero que me conheçam, me entendam e que me ajudem a encaixar na comunidade. Os nossos sentidos são mais aguçados. Eu ouço todos os sons ao mesmo tempo. Por isso, às vezes, fico em choque ou sinto-me sobrecarregado", conta. "Se quiser que eu saiba algo, use palavras. Não entendo muito bem a linguagem não-verbal", pode ouvir-se no vídeo.

A ideia inicial era postar no Facebook e no YouTube para que os 20 colegas da turma de Federico pudessem ver.

A chilena Pamela Zavala, com um marido e três filhos com síndrome de Asperger, viu a gravação e decidiu partilhá-la e foi assim que o vídeo se tornou viral.

Veja o vídeo:

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.