Membros de partido de extrema-direita alemã feridos a caminho de filme sobre Holocausto

Convidados para a apresentação de um documentário sobre o Holocausto, quatro membros do partido de extrema-direita alemão foram atacados e dois ficaram levemente feridos.

Quatro membros do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) foram atacados e dois ficaram levemente feridos num ataque a caminho da apresentação de um documentário sobre o Holocausto no Festival de Cinema de Berlim, noticia nesta segunda-feira a imprensa alemã.

Segundo a polícia, os membros do partido foram atacados e parcialmente feridos neste domingo por um grupo de cinco a sete desconhecidos, que as vítimas identificaram como membros de grupos de extrema-esquerda. A polícia indicou que está a investigar se a violência foi politicamente motivada.

Entre os feridos, segundo o partido, estava Vadim Derksen, que anunciou nesta segunda-feira convidar os agressores para o diálogo, defendendo que "a violência nunca pode ter lugar no debate político". Um dos quatro membros atacados era judeu, avançou ainda o partido extremista alemão.

Os agredidos garantiram que iam a caminho do Berlinale, Festival de Cinema de Berlim, para a apresentação do documentário O Arquivo Secreto do Holocausto de Varsóvia. Dieter Kosslick, diretor do festival de cinema, convidou membros do partido AfD para assistirem gratuitamente ao filme.

"Podem aniquilar-nos, mas não a memória das nossas vidas."O documentário, de Roberta Grossman, relata a história do arquivo secreto compilado pelo historiador judeu Emanuel Ringelblum e os seus colegas, no Gueto de Varsóvia em 1941. O arquivo secreto do Holocausto foi criado para testemunhar as condições sofridas pelos judeus de Varsóvia, na Polónia, e provou a política de extermínio do regime nazi.

Exclusivos