Melania alvo de críticas depois do primeiro discurso nas Nações Unidas

Primeira-dama falou sobre os perigos do bullying, "esquecendo" a abordagem belicosa do marido nas redes sociais

Melania Trump fez franzir sobrolhos no primeiro discurso que fez nas Nações Unidas, durante um almoço que organizou para as mulheres dos líderes mundiais reunidos em Nova Iorque.

Segundo o The Washington Post, a primeira-dama decidiu abordar um assunto controverso, não tanto pelo tema mas sobretudo pelo historial familiar: Melania falou sobre bullying, parecendo esquecer a abordagem belicosa do marido nas redes sociais. Ainda há poucos dias, Trump partilhou no Twitter uma montagem de vídeo em que o próprio presidente dá uma tacada numa bola de golfe que depois derruba Hillary Clinton, a rival das eleições de 2016.

"Nenhuma criança deveria sentir alguma vez fome, perseguição, ser assustada, aterrorizada, sofrer com bullying, sem ter a quem recorrer. Temos de ensinar às nossas crianças os valores da empatia... bondade, plenitude, integridade e liderança, que só podem ser ensinados através do exemplo."

Nas redes sociais, houve quem comentasse: "A ironia morreu".

Melania Trump foi também alvo de críticas por nunca ter lamentado os comentários obscenos do marido sobre mulheres. Mas a diretora de comunicação da primeira-dama, Stephanie Grisham, veio rapidamente defender que o discurso de Melania não foi sobre política e tratou-se apenas de usar "o papel de primeira-dama para ajudar tantas crianças quanto lhe seja possível".

No discurso, que durou sete minutos, Melania não introduziu, porém, qualquer medida específica de combate ao bullying, ainda que tenha manifestado vontade de abordar o tópico com educadores e pessoas influentes nas redes sociais.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.