Meghan Markle lidera edição da Vogue com "mulheres inspiradoras"

Conversa com Michelle Obama e Jane Goodall são temas fortes de revista com foco nas mulheres "unidas pela coragem de quebrar barreiras" que a duquesa de Sussex ajudou a preparar durante sete meses.

A duquesa de Sussex é a editora da edição de setembro da revista Vogue, o mês mais importante do ano para esta publicação de acordo com a editora. Meghan Markle foi convidada para supervisionar a edição preparada pelo diretor Edward Enninful e, segundo este, recusou que a capa tivesse uma foto sua porque considerou que isso seria "arrogante".

Assim, a primeira página terá fotos de 15 mulheres que são "agentes de mudança, pioneiras, unidas pela coragem de quebrar barreiras", segundo explicou fonte do Palácio de Buckingham.

O tema da edição de setembro será "forças de mudança", e segundo o comunicado do palácio real nela participarão a atriz Jane Fonda, a ambientalista Greta Thunberg, a primeira-ministra da Nova Zelândia Jacinda Ardern e a modelo Christy Turlington Burns.

O relato de uma conversa entre Meghan e a antiga primeira-dama dos EUA, Michelle Obama e uma entrevista à primatóloga Jane Goodall, são os dois outros pontos fortes da edição. Meghan Markle trabalhou durante sete meses neste projeto que considerou "gratificante".

Edward Enninful, diretor da Vogue britânica, já adiantou que espera que os "leitores se sintam tão inspirados quanto eu pelas forças de mudança que encontrarão nessas páginas".

"Desde o início conversamos sobre a capa - se ela [Meghan Markle] estaria ou não. No final, sentiu que, de certa forma, seria uma coisa 'arrogante'. Ela queria, em vez disso, concentrar-se nas mulheres que admira ", acrescentou.

A edição de setembro da revista é considerada a mais importante do ano, pois é a que tem mais publicidade. A edição de 2012 com Lady Gaga na capa teve 916 páginas e pesava 2,5 kg.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.