Médico indiano que criticou falta de equipamento foi internado na psiquiatria

Depois de ter sido suspenso por ter denunciado a falta de equipamento médico no seu hospital, o anestesista Sudhakar Rao foi agora internado na ala psiquiátrica. A história deste profissional com mais de duas décadas de carreira está a gerar duras críticas à atuação do governo.

Em apenas dois meses, o médico indiano Sudhakar Rao está pela segunda vez debaixo dos holofotes, depois de ter denunciado, no início de abril, preocupação sobre a falta de equipamentos de proteção nos hospitais, o que resultou na sua suspensão. Agora, o anestesista com mais de 20 anos de experiência foi internado pelas autoridades indianas num hospital psiquiátrico, segundo a BBC.

A detenção ficou registada numa série de vídeos, partilhados nas redes sociais e pelo WhatsApp. Nestes, será possível ver Sudhakar Rao rodeado de agentes de autoridade, no meio e uma estrada na cidade de Visakhapatnam, no sul da Índia. É amarrado e deitado sobre o chão, enquanto o espancam com um bastão. Nas últimas cenas, é visto já sem camisa e sentado dentro de um carro, aos gritos.

O médico anestesista ainda teve tempo de falar com alguns jornalistas locais que ali se juntaram para perceber o que estaria a acontecer. Contou que foi parado por estes agentes e forçado a sair do seu carro. "Eles no meu telemóvel e na minha carteira. Bateram-me", contou.

A versão da polícia é diferente. O comissário de Visakhapatnam, RK Meena, diz que as autoridades responderam a um conflito sobre um homem bêbado que se estava a comportar de forma irregular na estrada e que não sabiam de quem se tratava até chegarem ao local. A polícia alega ainda que o médico mostrou comportamentos agressivos e que foram outros cidadãos que amarraram as suas mãos com uma corda atrás das costas, enquanto esperavam pelos agentes. O caso foi registado como obstrução policial e danos na via pública.

Contudo, as autoridades não divulgaram de onde terá chegado a denúncia e não há nenhuma testemunha ocular que confirme esta versão dos factos. Por outro lado, os vídeos parecem sustentar a versão de Sudhakar Rao.

O comissário RK Meena disse que o médico seria levado para a esquadra da polícia e depois internado num hospital psiquiátrico, onde seria sujeito a exames. O responsável pelo hospital onde trabalhava, Radha Rani, disse à BBC que o anestesista mostrava-se estável, embora estivesse sob observação durante duas semanas, para que "pudessem verificar completamente a sua condição".

A detenção abrir uma discussão polémica no país sobre a forma como o governo lidou com as críticas deste médico ao sistema de saúde e foi altamente criticada pela oposição.

O que motivou a suspensão?

"Dizem-nos para usar a mesma máscara durante 15 dias antes de pedir uma nova. Como podemos tratar os pacientes se arriscamos as nossas vidas?". Foi assim que Sudhakar Rao denunciou, pela primeira vez, num vídeo que rapidamente se tornou viral, o cenário com que lidava diariamente no hospital governamental onde trabalhava.

Tal motivou a abertura de uma investigação por parte do governo e a suspensão deste profissional de saúde, sob justificação de que o médico terá ferido a moral dos outros profissionais.

Perante a sentença, Sudhakar Rao ainda chegou a gravar um vídeo no qual pediu desculpas e que a sua suspensão fosse cancelada, mas não obteve resposta.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG