Maria João Rodrigues: "Tenho um trabalho de longo curso sobre a Europa"

A eurodeputada Maria João Rodrigues, em entrevista ao programa A Hora da Europa na TSF, destaca o relatório sobre os direitos sociais como uma das marcas do seu mandato.

A eurodeputada socialista Maria João Rodrigues considera que "no último ano e meio" foi possível a "avançar de forma muito prática" em matéria de direitos sociais, desde que os líderes das instituições europeias proclamaram, em novembro de 2017, em Gotemburgo, o chamado "pilar social". Desde então, considera que tem sido registadas "consequências positivas, para a população europeia e para a população portuguesa".

Numa entrevista ao programa 'A Hora da Europa' na TSF, a eurodeputada afirma que nesta fase já está a ser possível "transformar essa proclamação em leis europeias", nomeadamente uma que "vai melhorar as condições de trabalho para qualquer tipo de emprego" e dará a "garantia que as pessoas têm direito a contrato de trabalho com condições decentes".

A proposta foi votada há duas semanas e cabe agora aos Estados-Membros fazerem a respetiva transposição para as leis nacionais. Mas a deputada nota já "uma mudança", relativamente a 2014, dizendo que "quando aqui chegámos não se podia falar de direitos sociais" e, nesse sentido regista "uma transformação".

Maria João Rodrigues afirma que no Parlamento Europeu gerou-se a "compreensão de que hoje estamos a fazer face a novos tipos de emprego no mercado de trabalho" mais precisamente em relação às "plataformas online", para as quais "há muitos jovens a trabalhar, que não têm nem contrato, nem acesso à protecção social".

Brexit

Nesta entrevista à TSF, a deputada considera ainda que a respeito do Brexit "estamos a chegar ao momento da verdade", pois acredita que "um Brexit sem acordo é perigosíssimo para o Reino Unido - e também para a Europa -, porque as consequências seriam catastróficas, sobre a economia britânica e sobre a população britânica".

"Uma parte da crescente da população foi levada para uma situação bloqueada e cada vez mais a população britânica percebe isso. É muito significativo que a população jovem, no Reino Unido, em maioria quer continuar na União Europeia", afirmou a deputada, admitindo que um novo referendo venha de facto a realizar-se.

Eleições

Maria João Rodrigues afirma a sua "profunda convicção" de que "o PS vai conseguir ter uma maioria expressiva". A eurodeputada escusou-se, porém, a concretizar por quantos deputados consideraria "expressiva" a margem de vitória.

Questionada sobre se ainda estaria disponível para um novo mandato no Parlamento Europeu, Maria João Rodrigues afirma-se "disponível porque tenho um trabalho de longo curso sobre a Europa".

"E este mandato foi novamente uma oportunidade de transformar isto em algo prático", afirma Maria João Rodrigues, esclarecido que é por essa razão de gostaria de "continuar".

Várias fontes garantem, porém, que a vice-presidente da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas, não será incluída nas listas. A decisão definitiva será conhecida esta quinta-feira à noite, na reunião da Comissão Política do Partido Socialista.

Investigação

Maria João Rodrigues responde ainda às questões sobre o processo que decorre no Parlamento Europeu, durante o qual foi investigada por alegada perseguição laboral, dizendo que espera que "fique esclarecido muito em breve", e que poderá conseguir que seja resolvido "a bem e com verdadeiro diálogo".

O ciclo de 21 entrevistas faz parte do projeto da TSF A Hora da Europa, com o apoio do Parlamento Europeu.

Correspondente DN/TSF em Bruxelas

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...