Manifestantes invadem aeroporto de Hong Kong. Voos cancelados

Os aviões que estão no ar com destino a Hong Kong continuam a ter permissão para aterrar, mas os restantes foram também cancelados. Em 2018 passaram pelo aeroporto de Hong Kong 75 milhões de passageiros.

Todos os voos previstos para esta segunda-feira com partida de Hong Kong foram cancelados, informou a autoridade aeroportuária local, depois de milhares de manifestantes pró-democracia terem invadido aquele que é um dos aeroportos mais movimentadas do mundo, tendo recebido 75 milhões de passageiros em 2018.

Os aviões que estão no ar com destino a Hong Kong continuam a ter permissão para aterrar, mas os restantes foram também cancelados, informou em comunicado a autoridade aeroportuária daquele território administrado pela China.

Vestidos com T-shirts pretas e envergando máscaras, os manifestantes distribuíam listas do que dizem ser os abusos da polícia. Muitos tinham uma pala num olgho em solidariedade com uma mulher que se tornou em mais um símbolo dos protestos após ter sido filmada no domingo a sangrar de um olho, após ter sido atingida por uma bala de borracha alegadamente disparada pela polícia.

A manifestação marcou o quarto dia consecutivo de protestos no centro da ilha de Lantau, após mais um fim de semana de confrontos entre a polícia e manifestantes em vários pontos da cidade, que resultaram em feridos e em pelo menos 16 detenções, que ultrapassam as 600 desde o início de junho.

Este foi também o nono fim de semana de protestos consecutivo, marcado pela posição assumida pelo Governo chinês ao declarar que vê "sinais de terrorismo" na oposição protagonizada pelos manifestantes, jovens na sua esmagadora maioria.

"Os manifestantes radicais em Hong Kong usaram repetidamente objetos extremamente perigosos para atacar os polícias, o que constitui um crime sério e revela os primeiros sinais de terrorismo", disse porta-voz chinês do Gabinete de Assuntos de Hong Kong e Macau, Yang Guang.

Em protesto desde junho

A contestação social começou em junho, desencadeada pela apresentação de uma proposta de alteração à lei da extradição, que permitiria ao Governo e aos tribunais da região administrativa especial a extradição de suspeitos de crimes para jurisdições sem acordos prévios, como é o caso da China continental.

A proposta foi, entretanto, suspensa, mas as manifestações generalizaram-se e denunciam agora aquilo que os manifestantes afirmam ser uma "erosão das liberdades" na antiga colónia britânica, reivindicando também medidas para a implementação do sufrágio universal.

Desde meados de junho que os manifestantes exigem a demissão da atual chefe do Governo, um inquérito independente à violência policial e a libertação dos detidos ao longo dos protestos.

A transferência de Hong Kong e Macau para a República Popular da China, em 1997 e 1999, respetivamente, decorreu sob o princípio de "um país, dois sistemas", precisamente o que os opositores às alterações da lei garantem estar agora em causa.

Para as duas regiões administrativas especiais da China foi acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

Exclusivos