Malaysia Airlines indemniza pais que perderam filhos no avião abatido na Ucrânia

Anthony Maslin e Marite Norris perderam três filhos. Marite perdeu também o pai, que viajava com os netos

A companhia aérea Malaysia Airlines acordou uma indemnização para um casal australiano que perdeu vários familiares no avião derrubado por um míssil no leste da Ucrânia há três anos, informou a imprensa local.

O acordo foi alcançado na sequência de uma ação apresentada contra a companhia aérea por Anthony Maslin e Marite Norris, um casal de Perth que perdeu os três filhos, de 12, 10 e oito anos, e o pai da mulher que viajava com eles no avião.

A companhia aérea anunciou um "acordo amigável e confidencial" com a família, que culminou na retirada da ação.

A Malaysia Airlines disse que não vai divulgar pormenores do acordo por respeito à privacidade da família, indicou um comunicado citado pelo diário The Star.

O avião do voo MH17 fazia a rota entre Amesterdão e Kuala Lumpur com 298 pessoas a bordo, incluindo 173 holandeses, quando foi derrubado a 17 de julho de 2014.

Uma investigação internacional determinou que o avião foi atingido por um míssil do sistema antiaéreo russo BUK, disparado a partir de um campo do leste da Ucrânia controlado por separatistas pró-russos.

Em 2014, a companhia malaia Malaysia Airlines perdeu dois aviões.

Além do Boeing 777 (voo MH17) abatido a 17 de julho por um míssil na zona de conflito do leste da Ucrânia, onde combatem as forças governamentais e os rebeldes pró-russos, a empresa perdeu também o avião que operava o voo MH370.

O voo MH370 desapareceu a 08 de março, quando fazia a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim, com 239 pessoas a bordo.

Uma semana depois do acidente confirmou-se que o último sinal foi recebido sete horas depois da partida, quando o aparelho sobrevoava o oceano Indico.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.