Mais de 25 morteiros lançados a partir de Gaza

Não há vítimas a registar na sequência do ataque

Mais de 25 morteiros foram lançados esta terça-feira da Faixa de Gaza contra comunidades do sul de Israel, informou o exército israelita. A mesma fonte indicou que a maioria dos morteiros foi intercetada pelo sistema de defesa 'Iron Dome'. Não há registo de vítimas.

A quantidade de morteiros lançados parece ser a maior registada num único incidente desde o conflito de 2014 entre Israel e o movimento de resistência islâmica Hamas.

Os media israelitas noticiaram que uma das cápsulas de um morteiro caiu junto a um jardim-de-infância, meia hora antes de abrir.

Fontes palestinianas informaram que minutos depois do bombardeamento e do som de sirenes de alerta em território israelita, ouviram-se várias explosões no enclave costeiro, ainda que o exército israelita não tenha confirmado qualquer represália.

A fronteira entre Gaza e Israel tem vivido momentos de tensão nas recentes semanas, com os palestinianos a promoverem protestos contra o bloqueio imposto por Israel e o Egito, após a chegada ao poder do Hamas em janeiro de 2006, em Gaza.

Pelo menos 110 palestinianos morreram desde 30 de março em resultado de ações israelitas.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.