Maduro quer militares prontos para ataque dos EUA a "solo sagrado" da Venezuela

Também este sábado, o presidente interino Juan Guaidó organiza uma marcha para pedir apoio dos militares.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu este sábado para que as forças armadas estejam "prontas" caso os EUA decidam lançar uma ofensiva militar em solo venezuelano. Maduro fez o pedido durante um discurso aos membros do Exército. No mesmo dia, o presidente interino Juan Guaidó organiza uma manifestação que vai passar pelos principais quartéis militares para pedir o apoio dos soldados para o governo de transição.

Segundo a AFP, Maduro fez o pedido durante um discurso dirigido a milhares de soldados, instando os militares a "estarem prontos para defender a pátria com armas na mão se um dia o império norte-americano ousar tocar esta terra, este solo sagrado ".

Já Guaidó, reconhecido por mais de cinquenta países, convocou uma marcha em Caracas para exigir que as forças armadas deixem de apoiar Maduro, depois da tentativa de derrube do presidente na passada terça-feira.

De acordo com o jornal venezuelano El Universal, os manifestantes tentaram entregar uma proclamação onde convidavam os militares a apoiar um governo de transição liderado por Guaidó. A mobilização convocada tem como objetivo visitar os comandos das forças armadas.

A oposição sublinhou o caráter pacífico das manifestações, depois dos motins de terça e quarta-feira terem causado amorte de cinco manifestantes, três dos quais menores, e 239 feridos, segundo informações das Nações Unidas.

"Eles (o governo) vão tentar provocar violência para tentar mostrar controlo e gerar medo", disse esta sexta-feira Guaidó, citado pela AFP.

A iniciativa da passada terça-feira constituiu o arranque da denominada "Operação Liberdade" que, segundo Guaidó, visa pôr termo ao que chama de "usurpação" da presidência por Nicolás Maduro.

A presidência interina de Guaidó é reconhecida por cerca de 50 países, incluindo os Estados Unidos, enquanto Maduro, que tem o apoio da Rússia, além de Cuba, Irão, Turquia e alguns outros países, considerou que a "Operação Liberdade" configura uma tentativa de golpe de Estado.

Até agora, não houve progressos na situação, aparentemente dominada pelo regime.

Nicolás Maduro, que tem sido alvo de forte contestação nas ruas, mas que aparentemente mantém o controlo das instituições, continua a ver as chefias militares a confirmarem-lhe a lealdade, mantendo a situação do país num impasse.

A resposta de Maduro para o apelo de Guaidó de marchas pacíficas hoje foi a convocação de uma "grande jornada de mudança, de retificação, de renovação revolucionária", com o propósito de "saber o que há que mudar, para melhorar" a revolução bolivariana.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?