Macron propõe que zona euro tenha ministro da Economia e Fundo Monetário próprios

Segundo o presidente da França, as suas propostas pretendem fortalecer a resistência e a capacidade de resposta da zona euro face a eventuais futuras crises

O presidente francês, Emmanuel Macron, defendeu esta quinta-feira em Atenas uma zona euro "forte", propondo que o mercado da moeda única europeia passe a contar com um ministro da Economia e um Fundo Monetário próprios.

Na capital grega, e durante uma reunião com o seu homólogo grego, Prokopis Pavlopulos, o chefe de Estado francês declarou que a zona euro precisa de "ambição", "coragem" e de "uma aspiração comum".

Segundo Macron, as suas propostas pretendem fortalecer a resistência e a capacidade de resposta da zona euro face a eventuais futuras crises, nomeadamente como aquela que sofreu a Grécia.

Esta visita à Grécia é a primeira deslocação oficial ao estrangeiro de Emmanuel Macron, que tomou posse a 14 de maio.

O presidente de França assinalou que durante as próximas semanas vai apresentar aos parceiros europeus a sua visão para a Europa e agradeceu à Grécia pelo apoio manifestado.

Ainda junto ao presidente grego, Macron saudou o primeiro-ministro helénico, Alexis Tsipras, pela agenda de reformas instituída e pelo compromisso de manter a Grécia na zona euro, independentemente das pressões que foram feitas "em sentido contrário".

O povo grego pagou um "preço elevado" em troca de reformas e, portanto, precisa da "solidariedade" europeia, assinalou o chefe de Estado francês.

Por sua vez, Prokopis Pavlopulos disse que a Grécia vai continuar a cumprir com as suas obrigações para com os credores internacionais, mas pediu reciprocidade aos parceiros comunitários, particularmente no que diz respeito à promessa de um alívio da dívida.

O presidente grego manifestou o seu apoio às ideias de Macron para a zona euro e pediu que França assuma um papel de liderança no processo de transformar a Europa numa "potência que dê esperança em tempos difíceis".